Aparecida, 24 jul (EFE).- O papa Francisco pôs nesta quarta-feira sua vida, seu pontificado e o povo latino-americano sob a proteção de Nossa Senhora de Aparecida, padroeira do Brasil, e pediu que os jovens sejam defensores de um mundo mais justo e não cedam diante de “ídolos passageiros como o dinheiro, o prazer e o poder”.

Dois dias após chegar ao Rio de Janeiro para presidir a 28ª Jornada Mundial da Juventude, Francisco foi hoje a Aparecida, cidade paulista de apenas 35.000 habitantes, onde foi acompanhado por 200.000 pessoas que desafiaram a chuva e o frio.

  • Francisco durante a missa no Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida, celebrada nesta quarta-feira. EFE
Francisco durante a missa no Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida, celebrada nesta quarta-feira. EFE

Francisco durante a missa no Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida, celebrada nesta quarta-feira. EFE

A viagem do papa até Aparecida seria feita de helicóptero, mas, por causa do mau tempo, o trajeto foi alterado, e Francisco viajou de avião até São José dos Campos, a 80 quilômetros de distância, e de lá foi de helicóptero para o santuário.

Francisco foi recebido com cânticos, vivas e aplausos pelos fiéis, alguns dos quais esperavam há mais de dois dias para ver o primeiro papa latino-americano, que mais uma vez deteve o o papamóvel para tocar as mãos dos fiéis e beijar a crianças.

Já no templo, Francisco se dirigiu à “Capela dos Doze Apóstolos”, onde está exposta a imagem de Nossa Senhora, onde orou durante alguns minutos.

“Em vossas mãos ponho minha vida”, afirmou emocionado o papa, que depois celebrou sua primeira missa pública no Brasil, na qual exortou os fiéis a não perder a esperança e pediu aos pais e educadores que transmitam aos jovens os valores que os façam pregadores de um mundo mais justo, solidário e fraterno.

Para atingir esse objetivo, citou três atitudes: manter a esperança, deixar-se surpreender por Deus e viver com alegria.

Sobre a esperança, disse que embora na vida de cada um e das comunidades se apresentem muitas dificuldades, Deus nunca deixa o homem que se afunde.

“Tenham sempre no coração esta certeza! Deus caminha a seu lado, nunca lhes deixa desamparados! Nunca percamos a esperança! Nunca deixemos que ela se apague nos nossos corações! O “dragão”, o mal, faz-se presente na nossa história, mas ele não é o mais forte. Deus é o mais forte, e Deus é a nossa esperança, afirmou.

Francisco ressaltou que hoje em dia “os jovens experimentam o fascínio de tantos ídolos que se colocam no lugar de Deus e parecem dar esperança: o dinheiro, o poder, o sucesso, o prazer. Frequentemente, uma sensação de solidão e de vazio entra no coração de muitos e conduz à busca de compensações, destes ídolos passageiros”.

O papa convocou os adultos a ajudar os jovens a serem protagonistas da construção de um mundo melhor. “são um motor potente para a Igreja e para a sociedade. Eles não precisam só de coisas, precisam sobretudo que lhes sejam propostos aqueles valores imateriais que são o coração espiritual de um povo, a memória de um povo. Neste Santuário, que faz parte da memória do Brasil, podemos quase que apalpá-los: espiritualidade, generosidade, solidariedade, perseverança, fraternidade, alegria; trata-se de valores que encontram a sua raiz mais profunda na fé cristã”, assegurou o papa.

O pontífice assegurou que Deus nunca deixa de surpreender, já que guarda sempre o melhor para os homens e sobre a atitude de “viver com alegria” manifestou que um cristão está sempre alegre, “nunca triste e não pode ser pessimista, não pode ter o aspecto de quem parece fazer o papel de luto perpétuo”.

“Se estamos verdadeiramente apaixonados por Cristo e sentimoso quanto nos ama, nosso coração se inflamará de tanta alegria que contagiará a todos que vivem a nosso ao redor. Como dizia Bento XVI, um discípulo sabe que sem Cristo não há luz, não há esperança, não há amor, não há futuro”, manifestou.

Francisco lembrou que faz seis anos que se reuniu em Aparecida para a 5ª Assembleia Geral do Episcopado Latino-Americano e do Caribe (Celam) e que essa conferência marcou um grande momento da Igreja. O então arcebispo de Buenos Aires e hoje papa Francisco, redigiu o Documento de Aparecida, que marcou as linhas a seguir pela Igreja Latino-Americana para encarar o século XXI e a nova evangelização.

Francisco anunciou que em 2017 voltará a Aparecida, no 300º aniversário da aparição de Nossa Senhora.

Após a missa, cumprimentou da sacada os fiéis e depois foi de papamóvel até o seminario de Bom Jesus, onde abençoou uma imagem de frei Galvão, o frade Bento XVI proclamou santo em São Paulo em 2007.

O papa voltará esta tarde ao Rio e visitará o hospital São Francisco de Assis da Providência, no bairro da Tijuca.

Francisco é o terceiro papa a visitar Aparecida. João Paulo II esteve na cidade em 1980, e Bento XVI em 2007, quando inaugurou a 5ª Assembleia Geral do Episcopado Latino-americano e do Caribe (Celam).

Da EFE

Sobre o editor

Willames Costa
Wíllames Costa
Editor

Instagram

Parceiros do blog