Após 6 horas dentro de ônibus, detidos na USP criticam polícia

Os estudantes detidos durante a reintegração de posse da reitoria da USP (Universidade de São Paulo), na manhã desta terça-feira, reclamam do tratamento que recebem da polícia.

Os 70 jovens –24 mulheres e 46 homens– serão autuados em flagrante por desobediência a ordem judicial, dano ao patrimônio público e crime ambiental. Após serem presos, eles foram levados em três ônibus da PM ao 91º DP (Ceasa).

Veja imagens da reintegração de posse na USP
Após desocupação, reitoria da USP tem bagunça e pichação
Vídeo mostra invasão do prédio da reitoria da USP

Devido à quantidade de pessoas, eles permanecem dentro dos veículos e descem em grupos para prestar depoimento.

Após quase seis horas esperando nos ônibus, eles reclamam do calor, da falta de comida e de banheiro, e dizem que permanecer no ônibus é “tortura”.

“A atuação foi brutal, uma presença muito forte e desproporcional. Para que agredir os estudantes, usando algemas? Os policiais quebraram várias portas da reitoria onde a gente nem tinha entrado. Temos consciência de que essa perseguição é política”, disse Paulo Fávaro, 26, aluno de artes visuais.

Cristina Moreno de Castro/Folhapress
Rojões e coquetéis molotov encontrados pela polícia após reintegração de posse na reitoria da USP
Caixas de rojões e coquetéis molotov encontrados pela polícia após reintegração de posse na reitoria da USP

Para a chefe de comunicação social da PM, coronel Maria Yamamoto, a operação foi um sucesso. “Não houve nem policiais nem estudantes feridos”, afirmou.

De acordo com o delegado seccional Dejair Rodrigues, os estudantes terão que pagar uma fiança de R$ 1.050, que pode ser recalculada segundo suas condições econômicas. “Se não pagarem a fiança, eles vão ficar na carceragem do 91º DP”, disse.

MÃES

Fora da delegacia, mães de alunos detidos também reclamam da polícia.

“Eu sou a favor de todas as reivindicações deles para coibir a ação truculenta da polícia. Meu filho não fuma maconha, não bebe, o único vício dele é tentar mudar o mundo”, disse uma advogada, mãe de um estudante de ciências sociais.

Ele disse que o rapaz dormia dentro de um carro com a namorada, em frente à reitoria, quando a polícia chegou e o algemou. Ela diz que o filho foi agredido com um capacete e cortou o rosto.

Outra mãe, que espera notícias da filha estudante de história, diz apoiar o movimento. “Eu entrei dentro do prédio e depois de ouvir tudo que me contaram, eu acho que eles tiveram razão de ocupar a reitoria”, afirmou.

OPERAÇÃO

Segundo a PM, os estudantes estavam dormindo por volta das 5h, quando a operação começou. Cerca de 400 policiais da Tropa de Choque e da Cavalaria da PM foram acionados, além de um helicóptero Águia e de policiais do Gate (Grupo de Ações Táticas Especiais) e do GOE (Grupo de Operações Especiais).

Os militares, portando cassetetes e escudos, fizeram um cordão de isolamento ao redor do prédio e retiraram os estudantes, que não resistiram à prisão. O prédio foi entregue pela polícia a um oficial de Justiça, já que a operação foi motivada por um mandado judicial.

Rahel Patrasso/Frame/Folhapress
Estudantes que haviam invadido a reitoria da USP são rendidos por policial militares
Estudantes que haviam invadido a reitoria da USP são rendidos por policial militares; 70 alunos foram detidos

ASSEMBLEIA

Os estudantes haviam decidido, em assembleia realizada na noite de ontem (7), manter a ocupação, apesar do fim do prazo dado pela Justiça para deixarem o local.

Após a votação, alguns estudantes agrediram jornalistas. Um cinegrafista caiu após ser empurrado e um fotógrafo teve a câmera arrancada e machucou as mãos –ele foi levado ao hospital.

O clima ficou tenso e, após os grupos ficarem separados, os alunos arremessaram pedras na direção dos jornalistas. Um cinegrafista foi atingido e ficou levemente ferido.

No momento do tumulto, não havia guardas universitários nem PMs no local. Após a confusão, um representante dos invasores disse que havia ocorrido uma “situação isolada”.

Eduardo Anizelli/Folhapress
Grupo que ocupa reitoria da USP entra em confronto com membros da imprensa; prazo para desocupação acabou às 23h
Grupo de estudantes que invadiu a reitoria da USP entra em confronto com jornalistas na noite de segunda (7)

RESISTÊNCIA

Na assembleia, vários estudantes disseram estar dispostos a resistir caso a PM fizesse a reintegração de posse.

Mais cedo, às 18h, uma reunião de negociação entre representantes da reitoria e alunos terminou em impasse.

O superintendente de relações institucionais da USP, Wanderley Messias da Costa, chegou a deixar a sala onde ocorria o encontro.

A proposta apresentada à tarde pela universidade previa que os alunos e funcionários não fossem punidos por participar da invasão.

A reitoria também manteve a oferta de criar grupos para discutir o convênio com a PM –principal motivo da invasão– e revisar processos administrativos contra estudantes.

Os alunos, no entanto, consideraram a proposta insuficiente, já que havia chance de novos processos caso ficasse provado que houve vandalismo no prédio invadido.

Os acontecimentos que levaram à ocupação da reitoria tiveram início no dia 27 de outubro, quando três alunos da USP foram detidos por posse de maconha. Houve reação de colegas, que investiram contra a PM. Policiais usaram bombas de efeito moral e cassetetes para levar os rapazes à delegacia –depois eles foram liberados.

Na mesma noite, um grupo de cem estudantes invadiu um prédio administrativo da FFLCH (Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas). Na terça passada, mais de mil alunos realizaram uma assembleia que decidiu, por 559 votos a 458, pela desocupação do edifício.

A minoria derrotada, porém, decidiu invadir a reitoria, onde hoje há cerca de 50 manifestantes –a USP toda tem cerca de 82 mil alunos (50 mil só na Cidade Universitária).

Com a Folha.com

Sobre o editor

Willames Costa
Wíllames Costa
Editor

Instagram

Parceiros do blog