Após explosão, 150 entram em prédio para retirar objetos no Rio

Após a autorização da Defesa Civil do Rio, 150 pessoas entraram nesta sexta-feira no edifício Riqueza –onde houve uma explosão nesta quinta-feira (13)– para retirar documentos e pertences. O acidente, em um restaurante no centro da cidade, causou três mortes e deixou 17 pessoas feridas –três estão em estado grave.

Funcionários e donos de estabelecimentos subiram acompanhados de agentes da prefeitura. Na quinta, 66 pessoas já haviam entrado no edifício.

Polícia já ouviu 14 pessoas sobre explosão
Veja o momento exato da explosão
“Fui salvo por um café”, diz paisagista que escapou
Veja galeria de fotos da explosão
Vi as pessoas voando pro outro lado da calçada, diz catador de latinhas

O laudo do IC (Instituto de Criminalística) sobre as causas da explosão deve sair em 15 dias, segundo o subsecretário da Defesa Civil Municipal, Márcio Motta. Ele explicou que a rua do restaurante, entre a rua da Carioca e a avenida Visconde do Rio Branco, ficará interditada por tempo indeterminado até que seja finalizado o trabalho da perícia e a limpeza do local destruído.

Segundo a polícia, um vazamento de gás durante toda a quarta-feira, feriado, provocou o acidente. Os policiais investigam se a explosão ocorreu no momento em que um homem acendeu um cigarro.

VIZINHO

Ao lado do prédio onde houve a explosão, o dono do Bilhar Guanabara –que funciona desde 1936 no local– calcula um prejuízo de aproximadamente R$ 5.000. “Isso foi um vendaval que bateu aqui”, diz José Moreira, 70 anos.

  Rafael Andrade/Folhapress  
Equipes trabalham após explosão no Rio; veja outras imagens
Equipes trabalham após explosão no Rio; veja outras imagens

O estabelecimento já trocou 200 vidros do espaço, mas decidiu não abrir hoje e amanhã em respeito às vítimas do acidente. Das 24 portas de vidro metade teve os trincos destruídos com o impacto da explosão. Azulejos antigos e outros espelhos internos também estão quebrados.

O bilhar ocupa os dois primeiros andares do edifício onde moram outras 32 famílias. O prédio e o hotel vizinhos ao restaurante em que aconteceu a explosão não foram interditados.

Com a Folha.com

Sobre o editor

Willames Costa
Wíllames Costa
Editor

Instagram

Parceiros do blog