Auxiliar no Americana, Evair faz planos e corneta Palmeiras

O calor de quase meio-dia era de matar. Em um dos gols, o “professor” Evair, de boné e prancheta, orientava jogadores do Americana, que treinavam cobranças de pênalti.

Itinerantes encostam na elite do futebol nacional
Veja galeria de fotos da carreira de Evair
Leia mais sobre o Palmeiras

“Eles me escutam. Pois, quando você tenta mostrar uma coisa aos atletas, você precisa ter feito isso. Fiz isso a vida inteira”, disse à Folha o ex-jogador de 46 anos, auxiliar técnico do Americana.

Evair fez isso e muito mais. Sabia cobrar pênaltis como ninguém. Chegou a um esfacelado Palmeiras no início dos anos 90. Saiu vitorioso, voltou e deixou o clube campeoníssimo da Libertadores.

  Eduardo Anizelli/Folhapress  
Evair (de boné), auxiliar técnico do Americana, conversa com os jogadores
Evair (de boné), auxiliar técnico do Americana, conversa com os jogadores

Tentou a carreira de treinador quando encerrou a carreira em agosto de 2003 e não teve muito sucesso. Agora, ao lado de Sérgio Guedes, faz ótima campanha pela Série B do Campeonato Brasileiro.

“Os jogadores conhecem minha história e respeitam.”

Difícil não respeitar. Evair é tido por muitos palmeirenses –se não a maioria deles– como o último grande atacante do time. Em tempos dos esforçados Fernandão, Luan, Dinei e tantos outros, a nostalgia só faz aumentar.

Por isso, conversar com Evair e não falar do Palmeiras é inevitável. Ele conta o entusiasmo pela equipe do interior. Mas é o Palmeiras que lhe arranca um sorriso e algumas críticas ao clube.

Afinal, quando ele chegou ao Palmeiras, em 1991, o time vivia tempos parecidos com os atuais: uma seca enorme de títulos e pouca esperança.

“A gente fugia das polêmicas, tentava evitar comentários sobre companheiros. A cobrança era tanta que era difícil até mesmo sair para ir a um restaurante. Hoje eu vejo jogador dando entrevista polêmica, usando Twitter…”

Ser ídolo, então, era algo impensável, conta Evair.

“Eu tive que ser campeão para virar ídolo. Demorou muito para a torcida me reconhecer. Hoje, não. Jogador faz três bons jogos e vira ídolo. Hoje é muito mais tranquilo jogar no Palmeiras. Você faz o que quer. Naqueles tempos, só mostrar vontade não era suficiente”, afirmou.

  Pisco Del Gaiso – 13.nov.94/Folhapress  
Evair, do Palmeiras, comemora seu primeiro gol contra o Corinthians, seguido por Roberto Carlos e Rivaldo
Evair, do Palmeiras, comemora seu primeiro gol contra o Corinthians, seguido por Roberto Carlos e Rivaldo

O ex-camisa 9 aponta semelhanças entre 1991 e 2011.

“O Palmeiras sempre foi assim, discussão, polêmica. Tem que ter caráter pra conviver com isso”, declarou.

Durante quase 40 minutos, ele falou mais: o gol mais memorável –aquele na final do Paulista de 1993, contra o Corinthians, que tirou o time alviverde da fila– e a vontade de voltar ao clube. “Não sonho mais com isso. Acho que o torcedor não me aceitaria como auxiliar, por exemplo. Mas nem espero mais isso.”

Do Palmeiras, diz, ele já recebe o que quer. “O que mais ouço do torcedor é ‘obrigado’. É um orgulho enorme.”

 

Com a Folha.com

Sobre o editor

Willames Costa
Wíllames Costa
Editor

Instagram

Parceiros do blog