Bovespa segue nervosismo mundial e cai 3,1%; dólar bate R$ 1,90

Os mercados de capitais atravessam um novo período de enorme volatilidade, com investidores correndo das Bolsas de Valores e se refugiando no dólar, a reserva de valor por excelência em momentos de pânico.

O Ibovespa, o termômetro dos negócios da Bolsa paulista, recua 3,14%, aos 54.223 pontos, nas primeiras operações desta quinta. Ontem, a Bolsa fechou em queda de 0,70%.

O dólar galga novos patamares recordes para o ano e atinge R$ 1,909, em forte alta de 2,35%. Essa cotação foi praticada pela última vez em fevereiro de 2010.

Dólar a R$ 1,80, e agora?
Intercâmbio, passagens aéreas, 2012: as dúvidas dos leitores sobre a alta do dólar
Bolsas europeias operam em queda de mais de 4%
Bolsas da Ásia desabam após anúncio do Fed e dados da China

O desastre é ainda maior nas praças financeiras do exterior. Na Ásia, as principais Bolsas fecharam com perdas entre 2,78% (Xangai) e 5,26% (Hong Kong).

Na Europa, a Bolsa de Londres desaba 4,85%, enquanto as Bolsas de Paris e Frankfurt retrocedem 5,03% e 4,58%, respectivamente.

Além da preocupação com a crise europeia, analistas ainda apontam a frustração dos investidores com o plano anunciado ontem pelo banco central dos EUA (o Federal Reserve) para reestimular a economia.

Muitos esperavam uma proposta mais ousada que a operação de US$ 400 bilhões. E outra parcela reagiu mal ao aviso dessa autoridade monetária, que alertou para os “riscos significativos” da economia americana.

DÓLAR MAIS CARO

Há vários fatores apontados por analistas do mercado para (tentar) explicar a disparada dos preços: o medo de um calote da Grécia (e os efeitos nocivos desse evento para o sistema bancário europeu); a perspectiva de juros ainda mais baixos nos próximos meses (o que reduz o apelo para que grandes investidores estrangeiros migrem capital para cá), e finalmente, movimentos especulativos, executados no mercado futuro de moeda, mas que afetam os preços no segmento à vista.

Em um cenário internacional de maior incerteza, tradicionalmente investidores correm para os chamados ‘portos seguros’: o dólar e o ouro.

A commodity metálica é um refúgio histórico para aqueles que buscam se proteger contra as turbulência da economia mundial. Já o dólar é a moeda em que os ativos mais seguros do planeta são negociados: os títulos do Tesouro dos EUA.

Por outro lado, economistas também destacam vários motivos que podem levar a taxa cambial a mudar de rota no curto ou no médio prazo: as reservas internacionais robustas do país,e o controle dos gastos públicos, o que reforça a credibilidade do país como alternativa viável para o capital externo; além do fato de que os juros brasileiros, apesar do ‘viés de baixa’ percebido pelo mercado, ainda seguem como os mais altos do planeta.

Por enquanto, no entanto, a volatidade ainda deve mandar nos mercados: conforme as autoridades europeias já indicaram uma solução para o imbróglio grego não deve aparecer antes de outubro. Por esse motivo, acreditam, a taxa cambial deve continuar pressionada.

Com a Folha.com

Sobre o editor

Willames Costa
Wíllames Costa
Editor

Instagram

Parceiros do blog