Clássico contrasta opulência do Santos com penúria do São Paulo


Campeonato Paulista 2012
O Santos de Neymar aprendeu a mágica de transformar futebol em dinheiro. O São Paulo, sem alguém com apelo semelhante, ainda tenta inventar seu toque de Midas. Às 16h deste domingo, no Morumbi, o clássico entre os dois times reflete eficiências diferentes fora das quatro linhas.

O time tricolor, que ganhou fama de clube de elite, é o único entre os grandes paulistas sem um patrocinador para a parte principal da camisa. Desde que o banco BMG abandonou o clube, no começo do ano, a frente do uniforme está vazia. Isso significa R$ 30 milhões a menos nos cofres são-paulinos.

Para não ficar sem faturar com visibilidade, o São Paulo recorre a patrocínios pontuais, como o dado pela fabricante de computadores Lenovo, que pagará R$ 430 mil para ter sua marca no uniforme apenas no clássico deste domingo.

Wagner Carmo/Divulgação Vipcomm
O atacante Luis Fabiano comemora um gol pelo São Paulo pela Copa do Brasil
O atacante Luis Fabiano comemora um gol pelo São Paulo pela Copa do Brasil

“Não é o ideal, mas é o que temos agora”, disse Júlio Casares, vice-presidente de marketing são-paulino. “Não há um valor para fecharmos com o parceiro definitivo, mas trabalhamos para acertar antes do final do Paulista”.

Também existe um acordo com a escola de idiomas Wizard, que paga R$ 3,4 milhões para exibir seu nome na manga só até o fim do Paulista. Já o Santos surfa na popularidade de Neymar e na visibilidade da Libertadores para faturar muito mais.

Sua camisa está cheia de marcas. Elas geram, além de reclamação da torcida, cerca de R$ 32 milhões por ano. O espaço do calção também é preenchido pontualmente. Neste domingo, por exemplo, vai ser ocupado pela Semp Toshiba.

Não é coincidência que o BMG tenha interrompido o repasse ao São Paulo na mesma época em que renovou e aumentou o aporte ao rival. Sem troféus desde 2008 e longe da Libertadores, o time do Morumbi ficou menos atrativo para investidores.

Andre Penner – 7.mar.12/Associated Press
Neymar comemora gol pelo Santos na partida contra o Internacional, pela Taça Libertadores
Neymar comemora gol pelo Santos na partida contra o Internacional, pela Taça Libertadores

Nos últimos anos, houve queda em sua receita de patrocínio. Em 2010, a diminuição foi de 42% em relação a 2009. O balanço financeiro de 2011 não foi divulgado. No Santos, houve o oposto: o faturamento de patrocínio cresceu quase 450% em três anos, justamente o tempo de carreira de Neymar.

O clube também ganha 10% dos contratos individuais assinados pelos atacante. E ainda oferece a seus investidores parcerias em programas de fidelidade com a torcida, o que tende a engordar o valor dos repasses.

As arquibancadas também viram os efeitos da inversão. O São Paulo desenvolve um processo de popularização do Morumbi, refletido no barateamento dos ingressos. Desde 2009, o time tricolor vem reajustando o preço de entradas abaixo da inflação.

Na última quarta-feira, era possível assistir ao duelo contra o Independente-PA, pela Copa do Brasil, por até R$ 10. O Santos, claro, faz o oposto. A participação em competições importantes e a menor capacidade de seu estádio aumentaram os ingressos. Em janeiro, um jogo esvaziado contra o Ituano não foi visto por menos de R$ 30.

Fonte: Da Folha.com

Sobre o editor

Willames Costa
Wíllames Costa
Editor

Instagram

Parceiros do blog