CNBB lamenta sanção de Dilma a lei para atender vítimas de estupro

O presidente da CNBB, domRaymundo Damasceno (Foto: Valter Campanato/ABr)

O presidente da CNBB, domRaymundo Damasceno
(Foto: Valter Campanato/ABr)

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) emitiu nota nesta sexta-feira (2) lamentando a sanção, sem vetos, da presidente Dilma Rousseff a uma nova lei que obriga hospitais da rede pública a prestar assistência a vítimas de violência sexual. A entidade ficou contrariada com trechos polêmicos que foram sancionados, como o que define violência sexual como “qualquer forma de atividade sexual não consentida” e prevê “profilaxia da gravidez” para tais casos.

Para a CNBB, com a sanção desses dispositivos, “gerou-se imprecisão terminológica e conceitual em diversos dispositivos do texto, com riscos de má interpretação e implementação, conforme evidenciado por importantes juristas e médicos do Brasil”.

No Congresso, bancadas religiosas pediam o veto argumentando que a lei, como aprovada pela Câmara e pelo Senado, abre brechas para ampliar a prática do aborto. O governo nega essa hipótese e argumenta que a lei apenas reforça recomendação já existente para que mulheres que sofreram estupro recebam a chamada “pílula do dia seguinte”, que evita a fecundação (se aplicada em até 72 horas após o ato sexual), mas não pode interromper uma gestação já em andamento.

Embora tenha sancionado a lei, Dilma, no entanto, optou por enviar novo projeto de lei ao Congresso propondo a substituição dos trechos polêmicos. Assim, caso aprovado pelos parlamentares, o termo “profilaxia da gravidez” seria substituído por “medicação com eficiência precoce para prevenir gravidez resultante de estupro”. Já a definição de violência sexual passaria de  “qualquer forma de atividade sexual não consentida” para “todas as formas de estupro”.

Para a CNBB, “a opção da Presidente pelo envio de um projeto de lei ao Congresso Nacional, para reparar as imprecisões técnicas constantes na nova lei, dá razão ao pedido das entidades”.

saiba mais

“O Congresso Nacional tem, portanto, a responsabilidade de reparar os equívocos da Lei 12.845/2013 que, dependendo do modo como venha a ser interpretada, entre outras coisas, pode interferir no direito constitucional de objeção de consciência, inclusive no respeito incondicional à vida humana individual já existente e em desenvolvimento no útero materno, facilitando a prática do aborto”, finaliza a nota da CNBB.

A entidade também discorda de trecho que prevê fornecimento, pelo profissionais de saúde do SUS, “de informações às vítimas sobre os direitos legais e sobre todos os serviços sanitários disponíveis”.

Governo admite imprecisões
No anúncio da sanção da lei, o ministro da Saúde, Alexandre Padilha disse que a nova redação proposta visa corrigir “imprecisões técnicas” no texto sancionado.

Na exposição de motivos que acompanha o projeto, a presidente argumenta que “a expressão ‘profilaxia da gravidez’ não é a mais adequada tecnicamente e não expressa com clareza que se trata de uma diretriz para a administração de medicamento voltados às vítimas de estupro”.

Com a alteração, disse Padilha, o governo reconhece que a “atitude correta para se evitar a gravidez de mulheres vítimas de estupro é oferecer medicação em tempo adequado, até 72 horas”.

Quanto à definição de violência sexual, o Executivo disse que o texto aprovado no Congresso “é vago e deixa dúvidas quanto à extensão dos casos que seriam abrangidos pela lei”. Padilha esclareceu que a alteração protege pessoas com deficiência mental e crianças.

Fonte: Do G1

Sobre o editor

Willames Costa
Wíllames Costa
Editor

Instagram

Parceiros do blog