Comissão de Ética vai abrir processo preliminar contra Lupi

A Comissão de Ética Pública da Presidência da República decidiu abrir um processo preliminar contra o ministro do Trabalho, Carlos Lupi.

Assessores do ministro são acusados por dirigentes de ONGs, segundo reportagem da revista “Veja”, de cobrar propina para resolverem pendências dessas entidades com o ministério. Lupi decidiu afastar um deles, Anderson dos Santos, no último sábado.

Governo diz ter feito alerta a Lupi sobre convênios suspeitos
Dilma só pune malfeito quando vira escândalo, diz Aécio
Ministério do Trabalho cobraria propina, diz revista
Oposição pede demissão do ministro do Trabalho

O procedimento aberto pela Comissão de Ética, que se reuniu na tarde de hoje no Palácio do Planalto, é um primeiro passo e não significa que o ministro está sendo formalmente investigado. Ele terá de apresentar explicações por escrito à comissão, que, aí sim, decidirá se abre investigação a respeito do caso.

O mesmo procedimento aconteceu em relação ao ex-ministro Orlando Silva (Esporte). Após denúncias publicadas na imprensa, a comissão pediu explicações a Orlando.

Segundo o presidente da Comissão de Ética, Sepúlveda Pertence, as informações foram enviadas, mas a comissão ainda espera outros dados, que não foram detalhados, para decidir que tipo de procedimento irá tomar.

PALOCCI

Na reunião de hoje, a comissão também decidiu aplicar a punição de “censura ética” ao ex-ministro Antonio Palocci (Casa Civil), que saiu do cargo em junho. Na prática, a censura ética não implica em nenhuma restrição para que Palocci assuma novamente um cargo público.

Envolvido em potencial conflito de interesse entre suas funções na Casa Civil e a atividade de consultor privado, que exerceu até 2010, Palocci foi censurado pelo fato de um apartamento alugado por ele em São Paulo estar em nome de uma empresa registrada em nome de um laranja.

Com a Folha.com

Sobre o editor

Willames Costa
Wíllames Costa
Editor

Instagram

Parceiros do blog