Dilma afirma que é preciso arrecadar mais verbas para saúde

A presidente Dilma Rousseff afirmou nesta quinta-feira que, para melhorar o sistema de saúde, será preciso conseguir mais verbas para o setor.

"Você vai necessitar cada vez mais recursos para colocar na saúde, para ela ficar cada vez mais de qualidade", disse a presidente, em entrevista para rádios de Minas Gerais.

E completou: "Quem falar que se resolve isso sem dinheiro é demagogo".

Governo nega interferência no BC sobre decisão de corte dos juros Conjuntura global determinará trajetória dos juros, diz Dilma Por agenda positiva, Dilma privilegia rádios regionais
  Roberto Stuckert Filho/Presidência da República  
Após entrevistas a rádios locais, Dilma participou da inauguração de um complexo siderúrgico em Jeceaba (MG)
Após entrevistas a rádios locais, Dilma participou da inauguração de um complexo siderúrgico em Jeceaba (MG)

Ela, no entanto, afirmou que não defende a volta da CPMF. "Por que o povo brasileiro tem essa bronca da CPMF? Por que não foi para saúde."

Para Dilma, uma das formas que o governo pensa em financiar a saúde é utilizando recursos do fundo social do pré-sal.

A presidente disse que a Emenda 29, que trata da destinação de recursos para a saúde, não irá resolver o problema. De acordo com ela, o governo já cumpre o que está determinando no projeto.

"A emenda 29 não resolve as demandas da população por saúde de qualidade."

Um dia após o Banco Central cortar em 0,5 ponto percentual a taxa Selic, Dilma afirmou que a questão sobre a redução dos juros dependerá do cenário externo.

"Não dá para você, de forma muito antecipada, prever isso. Ninguém sabe como é que vai se comportar", afirmou.

Ela voltou a usar a expressão "presente de grego" para contextualizar a característica da crise.

"A tendência é de ser uma crise de longa duração, de dois para mais anos."

A presidente afirmou que o aumento do superavit primário em R$ 10 bilhões anunciado esta semana é um exemplo que o governo está dando.

"O governo tem de dar exemplo de austeridade no que não se referir a investimento ou gasto com programa social."

A presidente tem concentrado suas entrevistas a rádios regionais para suas falas chapa-branca. Como publicado na Folha o Planalto escolhe as emissoras, empresta equipamentos e pede aos entrevistadores que só perguntem sobre temas da região.

Fonte: Folha.com

Sobre o editor

Willames Costa
Wíllames Costa
Editor

Instagram

Parceiros do blog