Dilma defende maior rigor com ONGs e diz acompanhar crise no Esporte

Poucas horas depois de chegar à capital da África do Sul, a presidente Dilma Rousseff chamou a imprensa para responder sobre as medidas que o governo tem tomado sobre as recentes acusações de corrupção contra o ministro Orlando Silva (Esporte) e programas da pasta.

Ela garantiu que está “acompanhando atentamente denúncias, esclarecimentos e investigações” e que seu governo é regido pela presunção da inocência.

PF abrirá inquérito para investigar acusações contra ministro
Dilma convoca ministro do Esporte para dar explicações
PM acusa ministro Orlando Silva de montar esquema de corrupção
Denúncias contra ministro do Esporte ‘são infundadas’, diz PC do B

Dilma também falou do maior cuidado do governo com repasses, em especial para ONGs, por causa da “fragilidade nos convênios” com essas entidades. “Não é possível fazer tábula rasa, você tem ONGs e ONGs”, afirmou.

Silva é acusado de participar de esquema de desvio de recursos do programa Segundo Tempo, que dá verba a ONGs para incentivar jovens a praticar esportes. À revista “Veja” um policial acusou o ministro de receber dinheiro vivo na garagem do ministério.

“Nós, ao contrário de muita gente por ai, temos o princípio democrático e civilizatório, nós presumimos inocência”, disse ela. “O ministro, não só nós presumimos a inocência dele, como ele tem se manifestado com muita indignação quanto às acusações”, reiterou Dilma sobre Orlando Silva, com quem ela afirmou ter conversado por telefone.

Na entrevista, dada a jornalistas pouco antes de deixar o hotel para jantar, a presidente ressaltou que não apenas o ministro nega as denúncias, mas também pediu que a Polícia Federal e o Ministério Público Federal investiguem as denúncias.

“Além disso, o ministro se dispôs a ir ao Congresso Nacional amanhã para fazer todos os esclarecimentos que os senhores deputados e senadores quiserem ter”, afirmou a presidente.

ONGS

A presidente ressaltou as recentes medidas para dar preferência a convênios com prefeituras e Estados, nos quais o controle e maior. “O que nós detectamos é que em geral elas [ONGs] são menos formais do que as prefeituras e do que os Estados. Porque as prefeituras e os Estados são órgãos públicos, e portanto têm toda uma regulamentação. Eles são acompanhados pelos tribunais, você tem que prestar contas, você tem toda uma dinâmica”, disse ela.

Dilma explicou que desde o início do ano pediu aos ministros que dessem preferência a convênios com prefeituras e Estados.

A presidente sugeriu mais rigor com as entidades. “A mesma coisa você teria de ter com as ONGs, só que como elas são as organização não-governamentais, elas têm uma formalização menor. Agora eu sempre digo: não é possível fazer tábula rasa. Você tem ONGs e ONGs. Não estou culpando as ONGs, estou dizendo que nós tomamos essa medida no que se refere a conveniar com as ONGs, porque tem uma fragilidade nos convênios”, afirmou.

Roberto Stuckert Filho/Presidência
Presidente Dilma desembarca em Pretória, na África do Sul
Presidente Dilma desembarca em Pretória, na África do Sul

Com a Folha.com

Sobre o editor

Willames Costa
Wíllames Costa
Editor

Instagram

Parceiros do blog