Dilma se equilibra entre ‘limpeza’ e establidade de coalizão, diz ‘La Nación’

A presidente Dilma Rousseff, que nesta quarta-feira (14) perdeu seu quinto ministro em menos de nove meses de governo, “vem se equilibrando entre limpar seu governo manchado e em manter estável a coalizão que a levou ao poder”, na avaliação do jornal argentino “La Nación” em reportagem publicada nesta quinta-feira.

O ministro do Turismo, Pedro Novais, foi obrigado a renunciar após a revelação de que ele estaria usando verba de gabinete para pagar uma empregada doméstica de sua casa e o motorista que serve sua mulher.

Veja fotos da mulher do ministro e o ‘chofer’
Ministro do Turismo usa servidor público como motorista da mulher
Ministro deve esclarecer pagamento a governanta, diz Ideli
Oposição quer ação contra ministro por pagamento a governanta
Ministro pagou governanta com verba pública por 7 anos

“Novas denúncias de corrupção voltaram a sacudir o governo da presidente do Brasil, Dilma Rousseff”, comenta o jornal argentino.

ATRITOS

A reportagem destaca que Novais é membro do PMDB, o principal parceiro da coalizão governista liderada pelo PT, e relata que ao chegar ao Palácio do Planalto para entregar sua renúncia a Dilma, reuniu-se primeiro com o vice-presidente da República, Michel Temer, que é também presidente licenciado do PMDB.

O jornal comenta que Dilma havia encarregado Temer de “conduzir a saída do ministro para evitar mais atritos na coalizão”.

“Pela manhã, Temer já havia dado sinais de que a situação de Novais era insustentável e encomendou aos líderes do partido a confecção de uma lista de possíveis substitutos dentro da agremiação, para que o PMDB mantenha o controle do Turismo, um ministério crítico antes da Copa do Mundo de 2014 e dos Jogos Olímpicos de 2016”, explica a reportagem.

DA BBC BRASIL

Sobre o editor

Willames Costa
Wíllames Costa
Editor

Instagram

Parceiros do blog