Diretor da Petrobras alerta para impacto do câmbio no balanço

Ao comentar o impacto do câmbio no balanço da companhia, o diretor financeiro da Petrobras, Almir Barbassa, disse que essa questão tem que ser considerada no longo prazo, já que dependendo do momento a estatal pode ser beneficiada ou prejudicada.

“O balanço sofre um efeito positivo e negativo. Nós tivemos um efeito positivo no câmbio de 2,8 bilhões de reais no último trimestre, hoje tem que olhar o câmbio. Esse é um impacto que vem e vai. Como a dívida tem sete anos de prazo, só lá na frente que de fato eu vou ter o impacto de caixa”, explicou.

Barbassa lembrou que a Petrobras tem ‘mais dívida lá fora do que ativos’, e que 70% do total do passivo é denominado em dólar.

JUROS

O segundo corte consecutivo de 0,5 ponto percentual na taxa básica de juros (Selic) fortalece o olhar da Petrobras sobre a possibilidade de captações de recursos em reais no mercado brasileiro, avaliou Barbassa.

“É claro que ajuda. Quanto menor os juros aqui, o mercado se torna mais atrativo”, disse ele a jornalistas nesta quinta-feira.

Segundo Barbassa, o mercado brasileiro é atrativo, mas não tem profundidade e volumes suficientes para atender toda a demanda de recursos da Petrobras.

“Você vê que as nossas operações são grandes. Os fundos aqui no Brasil vão longe e compram títulos de longo prazo também, mas não é uma operação que eu faça em dólar, seis bilhões [com facilidade]. Isso não dá para fazer”, afirmou o diretor.

Ele estima que o mercado brasileiro tem hoje capacidade para suportar uma operação de R$ 1 bilhão.

“Desse tamanho e desse nível, dá pra fazer. O mercado brasileiro está desenvolvido e vai chegar a um custo parecido com outros mercados”, afirmou ele, ao ressaltar que as operações de captação da Petrobras normalmente superam o prazo de cinco anos para amortização.

CAPTAÇÃO

Nos últimos dias, circularam rumores de que a estatal estaria preparando uma nova operação de captação que poderia ser em euro ou reais.

O diretor da Petrobras garantiu que não há nenhuma operação sendo desenhada para o curtíssimo prazo e que não há “shortlist” de bancos contratados para a operação.

“Estamos no estágio que sempre estivemos. O estágio é o de sempre estar acompanhando o mercado, temos uma meta de captação e vamos executá-la. O momento vai ser aquele que a gente julgar bom”, declarou.

“Não temos nenhum compromisso [de curto prazo]. Nada disso [‘shortlist’]”, acrescentou ele.

Segundo o executivo, o plano de investimentos da Petrobras de US$ 224,7 bilhões prevê, para sua viabilização, uma captação anual até 2015 de US$ 7 bilhões a US$ 12 bilhões em dinheiro novo.

DA REUTERS

Sobre o editor

Willames Costa
Wíllames Costa
Editor

Instagram

Parceiros do blog