Ex-premiê da Líbia é preso na Tunísia, diz BBC

Al Baghdadi al Mahmoudi, ex-premiê da Líbia durante o regime do ditador Muammar Gaddafi, foi preso nesta quarta-feira na Tunísia, informa a emissora britânica BBC, citando uma reportagem veiculada por um canal de TV líbio que apoia os rebeldes. Segundo a TV, ele teria sido detido na fronteira entre a Tunísia e a Argélia.

Funcionários do governo da Tunísia confirmaram que Al Mahmoudi foi detido na noite de ontem (21) quando tentava cruzar a fronteira entre os dois países.

Ele se entregou sem oferecer resistência, e portava documentos falsos, diz a BBC.

A notícia chega no mesmo dia em que o governo interino da Líbia ocupou todos os distritos de um dos últimos bastiões de Gaddafi, a cidade de Sabha, no deserto do Saara. O CNT disse que está investigando relatos de que ele deixou a cidade.

“Nossos revolucionários estão controlando 100% da cidade de Sabha, embora haja alguns pontos onde franco-atiradores resistem. A resistência é ato de desespero”, disse o porta-voz militar Ahmed Bani, do Conselho Nacional de Transição (CNT), falando a repórteres em Trípoli.

“Estamos fazendo o melhor que podemos na busca do tirano (Gaddafi). Há notícias aqui de que ele fugiu de Sabha para um outro lugar, mas isso não pôde ser confirmado.

Anis Mili/Reuters
Forças rebeldes conquistaram nesta quinta-feira no deserto do Saara mais uma cidade que ainda era leal a Gaddafi
Forças rebeldes conquistaram nesta quinta no deserto do Saara mais uma cidade que ainda era leal a Gaddafi

Sabha é uma base tradicional da tribo de Gaddafi.

As autoridades do CNT disseram que foi encontrado um arsenal químico secreto em Sabha, e assumido em grande parte o controle de outro.

Os mal organizados combatentes do CNT ainda lutam para avançar em dois outros redutos de Gaddafi, e os comandantes tendam impor o uso mais responsável das armas, depois da morte de várias pessoas em incidentes com “fogo amigo”.

A Reuters viu um combatente explodir a própria cabeça e matar um colega ao manusear uma granada de propulsão.

GOVERNO PROVISÓRIO

O governo provisório controla a capital e a maior parte do território nacional, depois de suas forças terem expulsado Gaddafi do poder, no mês passado, com ajuda dos bombardeios aéreos da Otan. O paradeiro do líder deposto continua desconhecido.

Diante da resistência oferecida por ele, a Otan decidiu prorrogar por mais 90 dias o seu envolvimento militar na Líbia, que já dura seis meses.

Porta-vozes militares do CNT disseram que suas forças capturaram o posto avançado de Jufra, cerca de 700 km a sudeste de Trípoli.

Fathi Bashaagha, porta-voz do CNT na cidade de Misrata, disse a jornalistas na noite de quarta-feira que, em Jufra, “havia um depósito de armas químicas, e agora ele está sob controle dos nossos combatentes”.

Anis Mili/Reuters
Rebeldes controlam passagem de veículos num checkpoint instalado a 5 km de Sirte, cidade natal de Gaddafi
Rebeldes controlam passagem de veículos num checkpoint instalado a 5 km de Sirte, cidade natal de Gaddafi

Não foi possível confirmar independentemente essa informação. Em 2004, o regime de Gaddafi, então se reaproximando do Ocidente, anunciou ter destruído seu arsenal químico e abandonado um programa nuclear. A Organização para a Proibição das Armas Químicas diz, no entanto, que a Líbia mantém 9,5 toneladas de gás mostarda em um local secreto do Saara.

Além de Jufra e Sabha, os partidários de Gaddafi resistem em Bani Walid, cerca de 180 quilômetros a sudeste da capital, e na litorânea Sirte, terra natal de Gaddafi.

Em Bani Walid e Sirte, os partidários de Gaddafi já rechaçaram vários avanços do CNT nas últimas semanas. Na manhã desta quinta-feira, as forças do novo governo reuniam tanques e lançadores de foguetes Grad para uma nova incursão.

Com a Folha.com

Sobre o editor

Willames Costa
Wíllames Costa
Editor

Instagram

Parceiros do blog