Ex-traficante do Alemão, no Rio, mira carreira de modelo

Quando decidiu se entregar ao perceber que, daquela vez, a polícia finalmente entraria para valer no Complexo do Alemão, Diego da Silva Santos, 26, o “Mister M”, fez questão de escolher sua melhor camisa. “Falei assim: Pô, tenho que me entregar na moda, bonitão, com a roupa que eu mais gosto”.

Veja mais imagens

Sua prisão teve grande repercussão no meio do noticiário da ocupação do Alemão, em novembro do ano passado, pois fora levado pessoalmente pela mãe, Nilza dos Santos, para a 6ª DP.

Usava uma camisa polo azul, da grife Reserva. Vários jornais estamparam sua foto, em que aparece bem vestido e sorrindo, o que foi interpretado como sinal de deboche.

“Sabe por que eu tava rindo? É que dois fotógrafos chegaram correndo na delegacia, e um tropeçou no outro. Daí todo mundo riu.”

Paula Giolito/Folhapress
Ex-traficante do Morro do Alemão Diego da Silva Santos, 26, o "Mister M", mira carreira de modelo
Ex-traficante Diego da Silva Santos, 26, o “Mister M”

Ele chegou à delegacia sem saber o que o esperava. Era suspeito de envolvimento no assassinato de Antônio Ferreira, o Tota, chefe do tráfico no Alemão até 2008. “Foi o Mister M que executou o Tota”, diz o refrão de um funk do tipo “proibidão”.

“Não sabia o que estava devendo na Justiça, mas decidi me entregar. Pensei: seja o que Deus quiser. E fui. O escrivão puxou minha ficha e falou que eu ia sair rapidinho. Eu perguntei: “vou sair rapidinho?” É. Não tem nada contra você não. Só uma associação [ao tráfico].”

Diego entrou para o crime aos 16 anos. Até os 25, idade que tinha ao se entregar, não saiu do Alemão nem uma vez. Comprava as roupas de grife que gostava por encomenda.

Antes de ingressar no tráfico, já havia abandonado a escola, e trabalhado de auxiliar numa van. Ganhava R$ 150 por semana, das seis da manhã às seis da tarde.

“Era estressante, e o dinheiro não dava pra nada. Voltava pra casa e via os caras com moto, tênis e roupa maneira. Era aquela a vida que eu queria.”

Os traficantes lhe ofereceram os mesmos R$ 150 para carregar mochilas e fazer pequenos favores. Aceitou. A vantagem, diz ele, era não ter que sair do morro. Ainda não pegava em armas, mas foi ganhando a confiança.

Aos 18, assumiu a função de segurança do chefe do tráfico, passou a andar armado e a receber R$ 500 semanais. Além do dinheiro, a nova posição lhe trazia status. E mulheres.

“É uma das coisas que mais te prendem lá. Era muita mulher mesmo. Cada dia aparecia uma mais bonita, mais gostosa. Da Barra, da zona sul, de todo o Brasil. Conheci até uma italiana. Me faziam várias propostas. Falavam “vamos, vou te levar comigo. Você vai morar na minha casa. Tu é maneiro”.”

A mãe sempre acreditou que ia tirá-lo do tráfico. A ponto de, um dia, ter preparado uma armadilha. Diego tinha acabado de almoçar, quando um amigo avisou que sua mãe lhe esperava no pé do morro.

“Cheguei lá e ela estava com um prato bonitão de macarrão. Mas eu tava já com a barriga cheiona. Só depois, na delegacia, ela me contou que tinha colocado uma parada para eu dormir. Imagina se eu como? Nem sei onde ia acordar”, lembra ele, rindo. A mãe confirma.

“A gente ia jogar ele no carro e levar para minha casa. Quando acordasse, não iríamos deixar voltar para o morro”, diz ela, que mudou-se para Olaria (zona norte) há quatro anos.

Dona Nilza criou sozinha nove filhos. Apenas Diego virou traficante. “Os outros irmãos brigavam muito, mas ele sempre foi tranquilo. Foi para o tráfico por vaidade.”

José Júnior, coordenador da ONG AfroReggae, conheceu Diego há quatro anos. “Tem cara que nasceu para o crime. Não era o caso dele. Sempre quis trazê-lo para o AfroReggae. Quando se entregou, tive certeza de que seria nosso.”

Diego deixou o presídio de Bangu 3 há duas semanas. Foi absolvido da acusação. Começou a trabalhar no AfroReggae, e terá uma posição de destaque em um novo projeto que a ONG articula com a grife Reserva, a da blusa azul que ele usava no dia em que foi preso.

A empresa lançará o selo AR. As roupas serão vendidas nas lojas da Reserva, e a renda revertida para o AfroReggae. Ele foi escolhido para ser o símbolo desta parceria. Será modelo. Uma baita reviravolta para quem, até então, só posara para fotógrafos dentro de uma delegacia de polícia.

REPERCUSSÃO

A foto de um traficante vestindo uma camiseta de sua marca, publicada nas páginas policiais, poderia ter gerado preocupação no diretor artístico da grife carioca Reserva, Rony Meisler.

Na época, poucos dias após a prisão de Diego, Meisler foi ouvido pela Folha a respeito da possível repercussão negativa na imagem da empresa. “Não achei nem bom nem ruim. A marca inspira desejo e qualquer um pode se identificar com ela”, afirmou na época.

O que ele não imaginava é que justamente aquele jovem seria, nove meses após sua prisão, escolhido como símbolo de um dos projetos da grife, em parceria com o AfroReggae.

“Sei que muita gente vai olhar para isso e dizer que é um absurdo, que todo traficante tem mais é que morrer. Mas a verdade é que muito se conversa e pouco se faz para impedir que esses jovens voltem ao crime depois que saem da prisão. O AfroReggae faz um trabalho fundamental, e achei que, como carioca, tinha que ajudar.”

Da troca de ideias com José Júnior, surgiu o projeto de lançar um selo que gerasse receita para a ONG. “O projeto não é específico para o Diego. O que queremos é gerar fundos para a reinserção social de muitos outros meninos como ele que são apoiados pelo AfroReggae.”

Fonte: Folha.com

Sobre o editor

Willames Costa
Wíllames Costa
Editor

Instagram

Parceiros do blog