Exportação de biquíni brasileiro cai 83%

As crises nos EUA e na Europa esfriaram a demanda por biquínis, e a valorização do real tornou o maiô de duas peças mais caro no exterior, informa reportagem de Maeli Prado para a Folha.

Neste ano, até julho, foram exportados 480,8 mil maiôs e biquínis. Em 2010, 614,4 mil peças. Números muito inferiores aos 3,6 milhões de unidades compradas por outros países em 2005, auge das vendas externas.

Em valores, o movimento é parecido: as exportações do produto somaram US$ 19,8 milhões em 2005, montante que caiu para US$ 7,4 milhões em 2010. Até julho deste ano, foram US$ 6 milhões em produtos vendidos ao exterior.

O presidente da Acirb (Associação Comercial da Rua dos Biquínis), de Cabo Frio, Sílvio César Rodrigues, calcula que a queda nas vendas foi de 30% nos últimos três anos. “A nossa saída para sobreviver foi a abertura de lojas”, diz Rodrigues, dono da marca Toccare.

Nos tempos de vendas externas aquecidas, outra marca, a Acqua Brasil, chegou a produzir 100 mil peças por ano. Hoje, fabrica entre 20 mil e 30 mil unidades anualmente.

  Editoria de Arte/Folhapress  

Com a Folha.com

Sobre o editor

Willames Costa
Wíllames Costa
Editor

Instagram

Parceiros do blog