Fundos de investimento buscam empresa de médio porte

Já relegadas a segundo plano –principalmente pelo perfil de gestão, em geral menos profissionalizado que o de grandes grupos–, as empresas médias do Brasil agora ganham a preferência de fundos de investimento, informa reportagem de Carolina Matos publicada nesta terça-feira.

Assinantes da Folha e do UOL podem acessar a íntegra da matéria aqui.

A alta do real em relação ao dólar levou os “private equity”, fundos que compram fatias em empresas para desenvolvê-las e ganhar com sua valorização –a exemplo da Ri Happy, de brinquedos, adquirida pelo Carlyle neste ano–, a olhar mais para grupos médios, menos caros.

Pelos critérios do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), empresas médias têm receita anual de até R$ 300 milhões.

Mas, sob a perspectiva dos fundos, esse valor pode triplicar. O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização, na sigla em inglês) da companhia tem muita importância na avaliação.

Segundo levantamento da DGF Investimentos, gestora de “private equity”, há hoje no país 38 mil empresas pequenas e médias com crescimento anual de 20% nos funcionários e de 10% na receita nos últimos três anos.

Editoria de arte/folhapress

Fonte: Da Folha.com

Sobre o editor

Willames Costa
Wíllames Costa
Editor

Instagram

Parceiros do blog