Governador do PT sugere que ministro do Trabalho peça demissão

O governador da Bahia, Jaques Wagner (PT), disse nesta quinta-feira (1º) que “ficou uma coisa praticamente insustentável” a situação do ministro do Trabalho, Carlos Lupi (PDT).

Wagner referiu-se à decisão unânime da Comissão de Ética Pública da Presidência da República de recomendar a exoneração de Lupi. Dessa forma, afirmou, “de repente o próprio ministro pode [dizer]: `Presidenta, não sei se vai ficar uma coisa… Está ficando muito desconfortável. Quem sabe é melhor eu lhe deixar à vontade’. Aí é uma coisa unilateral dele”.

Veja a galeria de fotos da entrevista
Leia a transcrição da entrevista com Jaques Wagner
Leitor espanta-se com permanência de Lupi no Trabalho

Para Wagner, a presidente Dilma Rousseff deverá dizer à comissão se aceita ou não o conselho de demitir Lupi. Segundo ele, Dilma pode fazer isso na reforma ministerial prevista para o início de 2012 ou a qualquer momento.

Se ficar claro que Lupi só ficará no Ministério do Trabalho até janeiro, no entanto, o governador da Bahia defende que a melhor decisão é tirá-lo já do cargo. “Aí é melhor sair logo e deixar nem que for o secretário executivo [do ministério] assumir”, afirmou.

Jaques Wagner falou sobre o assunto no programa “Poder e Política – Entrevista”, conduzido pelo jornalista Fernando Rodrigues no estúdio do Grupo Folha em Brasília. O projeto é uma parceria do UOL e da Folha.

Wagner foi eleito governador da Bahia em 2006 e reeleito em 2010. Antes disso foi três vezes deputado federal, ministro do Trabalho e ministro de Relações Institucionais do governo Lula.

Questionado sobre possível racha na aliança entre PT e PSB, do governador de Pernambuco, Eduardo Campos, Wagner afirmou que o colega tem direito de se candidatar ao que quiser, inclusive a presidente da República. Mas ressalvou que a vice de Dilma, em 2014, pode ser uma opção para Campos, apesar de ser natural manter o posto com o PMDB –partido do atual vice, Michel Temer.

Wagner falou sobre visita que deve fazer a Lula nesta sexta-feira, em tratamento contra um câncer na laringe. Disse que entregará “oferendas, energias positivas” e uma imagem de Irmã Dulce ao amigo.

O governador falou ainda sobre obras em seu Estado, sobre a eleição para prefeito de Salvador em 2012 e sobre sua participação na fundação do PSD, partido de Gilberto Kassab, na Bahia.

A seguir, vídeo com a íntegra da entrevista de Jaques Wagner. A transcrição está disponível  em texto.

Com a Folha.com

Sobre o editor

Willames Costa
Wíllames Costa
Editor

Instagram

Parceiros do blog