Imprensa indiana questiona compra de caças Rafale

A anunciada compra de 126 aviões franceses Rafale pela Índia caiu no pântano da suspeição: o canal de TV “Times Now” anunciou ter documentos que mostram questionamento de “oficiais superiores” não especificados quanto às condições da compra.

As objeções são de duas naturezas: o valor a ser pago pelos caças, no total calculado em cerca de US$ 15,732 bilhões; e a falta de clareza quanto à transferência de tecnologia.

Dilma aproveita visita à Índia para negociar compra de caça
França espera que decisão sobre compra de caças saia neste ano
França anuncia vitória de seu caça na Índia e aumenta chances no Brasil
Amorim diz esperar decisão sobre caças no 1º semestre

Os indianos têm requisitos de transferência tecnológica que implicam a construção do avião no país, como eles já fazem com o caça pesado russo Sukhoi-30.

Os dois itens aplicam-se exatamente à concorrência aberta pela FAB (Força Aérea Brasileira) para comprar 36 caças, um pacote no valor de aproximadamente R$ 10 bilhões.

Sebastien Dupont/AFP
Caça Dassault Rafale decola em base aérea francesa
Caça Dassault Rafale decola em base aérea francesa

O Rafale, o favorito no momento, é mais caro do que seus concorrentes, o norte-americano Boeing F-18 e o sueco Gripen, o preferido da FAB.

Transferência de tecnologia é considerado ponto essencial para a definição por um modelo, mesmo que seja mais caro que os concorrentes. Se há dúvidas sobre a real transferência de tecnologia, a compra dos caças pode emperrar de novo (a concorrência arrasta-se desde 2001 e já houve outros momentos em que o avião francês foi dado como seguro vencedor, até pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva).

Como informou reportagem da Folha desta terça-feira, a presidente Dilma Rousseff vai aproveitar sua viagem à Índia para estudar a possibilidade de comprar o caça francês Dassault Rafale numa negociação que envolva os dois países.

Dilma, que está na Índia para encontro dos Brics, vai questionar o governo indiano sobre detalhes da compra, que ainda está em fase inicial e pode ser revertida.

A denúncia da “Times Now” certamente surgirá na conversa.

Segundo apurou a Folha, Dilma quer saber se é possível e vantajoso ao Brasil virar parceiro de Nova Déli caso também escolha o Rafale.

O ministro Celso Amorim (Defesa), que esteve na Índia no mês passado, disse ao Planalto que as condições de venda do Rafale são melhores na Índia, o que é natural dada a escala do negócio: aqui, são 36 unidades, contra os 126 lá.

Se mesmo as condições de venda à Índia, melhores que no Brasil, passam a ser questionadas, o natural é que se questione de novo o preço que a Dassault, fabricante dos aviões, pretende cobrar.

Fonte: Da Folha.com

Sobre o editor

Willames Costa
Wíllames Costa
Editor

Instagram

Parceiros do blog