Justiça coloca Agnelo como suspeito de receber propina

A Justiça Federal em Brasília encontrou indícios que colocam o governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT), como suspeito de ter recebido propina de R$ 256 mil em desvios de dinheiro do programa Segundo Tempo, quando ele era ministro do Esporte.

Na decisão de levar o inquérito ao STJ (Superior Tribunal de Justiça), o juiz federal Marcus Bastos afirma que o relatório final da investigação na Polícia Civil levantou indícios de um “suposto recebimento de R$ 256 mil em espécie pelo então ministro Agnelo Queiroz”.

Governador do DF é alvo de inquérito no STJ por fraudes no Esporte
‘Querem tirar ministro no grito’, diz Orlando Silva sobre suspeitas
Esporte esvaziou apuração contra ONG sob suspeita
Testemunhas ligam delator de ministro a governador do DF
Patrimônio de policial delator inclui casa, academias e carros

O juiz conclui então que, como Agnelo agora é governador, cabe ao STJ investigá-lo. Ao decidir por mudar o foro do processo, o juiz federal atendeu a um pedido do Ministério Público Federal.

Os procuradores, por sua vez, dizem que há indícios do “suposto envolvimento do ex-ministro no aventado esquema de desvios de recursos federais” à ONG do policial João Dias Ferreira.

O policial afirma que o programa Segundo Tempo é utilizado para desviar dinheiro do ministério para abastecer entidades ligados ao PCdoB. Quando era ministro, Agnelo estava filiado ao PCdoB, assim como o policial que delatou o esquema.

SIGILO

Após três anos de investigação em segredo, o STJ decidiu nesta quarta-feira quebrar o sigilo do inquérito da chamada Operação Shaolin, que investiga as ONGs de João Dias Ferreria e desvios no Ministério do Esporte.

Os ministros da Corte Especial do tribunal determinaram que só correrá sob sigilo informações decorrentes de quebra de sigilo fiscal, bancário e telefônico.

O caso foi remetido ao procurador-geral da República, Roberto Gurgel, que deverá analisar se continuará investigando as suspeitas contra o governador, ou se arquivará o inquérito.

Em nota, a secretaria de comunicação do DF afirma que a existência do inquérito “carece de aptidão para firmar premissa de que Agnelo Queiroz praticou ato reprovável legal e eticamente, quando foi ministro do Esporte”.

“Inquérito é mero instrumento de apuração de fatos, verdadeiros ou falsos, pendentes de confirmação de materialidade e de autoria, sem que, pois, se possa presumir responsabilidade”, diz a nota.

A Secretaria de Comunicação ainda diz que não existem denúncias ou processo criminal contra Agnelo Queiroz.

“Há manifesta impropriedade na tentativa de formar juízo de valor aligeirado sobre a idoneidade pessoal ou legal de Agnelo Queiroz”, afirma o GDF.

Editoria de Arte/Folhapress


Com a Folha.com

Sobre o editor

Willames Costa
Wíllames Costa
Editor

Instagram

Parceiros do blog