Justiça manda prender acusados de fraude contra Prefeitura de SP

A Polícia Civil de São Paulo cumpre mandados de prisão nesta quarta-feira contra ao menos 14 pessoas acusadas de participar de um esquema de fraude no pagamento da outorga onerosa –taxa que permite a construção de edifícios com altura acima do limite permitido na capital paulista.

Promotoria denuncia 20 pessoas por fraude contra prefeitura
Embargo a sete obras suspeitas de fraude em SP é suspenso
Inquilinos de parentes de Lu Alckmin não obtêm alvará
Fraude em São Paulo barra obras de quase 1.000 apartamentos
Veja endereços dos prédios de SP embargados por suspeita de fraude

Os mandados foram decretados pela Justiça após denúncia do Ministério Público, e são cumpridos pela Divisão de Capturas.

Entre os procurados estão donos e diretores de construtoras, arquitetos e engenheiros. Eles são acusados de fazer parte de uma quadrilha que falsificava guias de pagamento para permitir a construção de empreendimentos imobiliários.

Estão sendo procurados os empreiteiros Marco Aurélio de Jesus, da Marcanni, Marco Antônio Melro, da Porte, Jonsely Barbosa Siqueira e Paulo Antunes, da Onoda, e Gilberto Zaborowski, da Zabo. Além deles, são procurados três diretores da Odebrecht (João Alberto Lovera, Luciano Fernandes de Melo Mansur e Paulo Ricardo Baqueiro de Melo) e os despachantes Orlando Federzoni, Edna Pereira Garcia, Carlos dos Santos Rodrigues, Raphael e Alexandre Dionísio de Oliveira, além do arquiteto Marcos Gusmão Matheus.

Dois acusados de pertencer à quadrilha já estavam presos (Nivaldino Dionísio de Oliveira e Natali Federzoni) e outros dois foram presos na semana passada e soltos após conseguirem habeas corpus (Joel José Abraão da Cruz e Adriana Dionísio de Oliveira).

Até a tarde desta quarta-feira, a polícia não informou quantos dos acusados procurados foram presos. O motivo alegado é que o processo tramita sob segredo de Justiça.

Com a Folha.com

Sobre o editor

Willames Costa
Wíllames Costa
Editor

Instagram

Parceiros do blog