Lençóis vindos dos EUA eram reutilizados em hospital de PE

Autoridades recolheram ontem lençóis usados, importados dos Estados Unidos, e que estavam sendo reutilizados no Hospital Regional Belarmino Correia, na cidade de Goiana, em Pernambuco. Quatro lojas já foram fechadas em Santa Cruz do Capibaribe (PE) por venda irregular de lençóis de hospitais americanos.

Lixo hospitalar trazido dos EUA é vendido pela internet
É nojento que empresários importem lixo hospitalar
PF investiga comprador de lixo hospitalar em PE
Lojas com lixo hospitalar são fechadas no PE
EUA enviam mais 14 contêineres suspeitos ao Brasil

Roupa de cama usada continuamente em instituições de saúde é considerada lixo hospitalar após o descarte e precisa ter destinação específica. A comercialização de materiais do gênero é proibida, diz a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), e pode trazer riscos à saúde, de acordo com médicos.

Na semana passada, a Receita Federal apreendeu peças semelhantes em carga de lixo hospitalar também de origem americana. O material estava em um contêiner no porto de Suape (PE). Desde então, autoridades começaram a agir para tentar tirar de circulação o material.

João Brito/Folhapress
Lençóis usados de hospitais brasileiros são vendidos a quilo em lojas de Teresina, em Piauí
Lençóis usados de hospitais brasileiros são vendidos a quilo em lojas de Teresina, em Piauí

Durante as investigações, autoridades encontraram também em uma uma loja de Ilhéus, na Bahia, roupas de pacientes, jalecos e lençóis. Em algumas peças havia a inscrição “infectante”.

Já em Teresina, no Piauí, a Folha comprou anteontem 7 kg (por R$ 18 cada) de lençóis e fronhas usados com logotipos de 16 instituições de saúde brasileiras. O material era vendido nas mesmas prateleiras de outros tecidos e malhas sem logomarcas.

Editoria de Arte/Editoria

Com a Folha.com

Sobre o editor

Willames Costa
Wíllames Costa
Editor

Instagram

Parceiros do blog