Lewandowski nega suspender tramitação da MP dos Médicos

O ministro Ricardo Lewandowski, presidente em exercício do Supremo Tribunal Federal (STF) (Ueslei Marcelino/Reuters)

O ministro Ricardo Lewandowski, presidente em exercício do Supremo Tribunal Federal (STF) (Ueslei Marcelino/Reuters)

Presidente em exercício do Supremo Tribunal Federal (STF), o ministro Ricardo Lewandowski negou nesta sexta-feira suspender a tramitação da MP dos Médicos, enviada ao Congresso Nacional no início deste mês. O pedido de suspensão havia sido feito pela Associação Médica Brasileira (AMB), que alegava necessidade de um maior debate sobre o tema. A proposta do governo prevê a obrigatoriedade da atuação de estudantes de medicina no Sistema Único de Saúde (SUS) por dois anos, além da importação de médicos estrangeiros sem a exigência do exame Revalida.

Na última quarta-feira, a AMB recorreu à suprema corte alegando, entre outros pontos, que a medida provisória não apresentava critérios de urgência e relevância, necessários para que o tema fosse debatido por meio de uma MP e que, por isso, a tramitação da proposta deveria ser paralisada. Apesar de as MPs precisarem de critérios definidos para serem editadas pelo Executivo, o governo federal normalmente usa esse instrumento porque as leis contidas nele têm validade imediata.

Leia também:
45% dos inscritos no Mais Médicos forneceram registro inválido
Anos extras na formação do médico podem ser incorporados na residência

Em seu argumento, porém, Lewandowski afirmou que não cabe ao Judiciário analisar requisitos de urgência e relevância da MP criada pelo governo. “Não é dado ao Judiciário, em geral, e ao Supremo Tribunal, em particular, como regra, proceder à avaliação do mérito de políticas públicas, especialmente no tocante ao reexame dos critérios de sua oportunidade e conveniência, que são objeto de decisões cobertas pelo manto da ampla discricionariedade, própria das escolhas de cunho político”, disse o magistrado, em decisão liminar. A decisão individual do ministro ainda será decidida no plenário do STF.

Lewandowski traça ainda, em seu argumento, um panorama do atual mercado profissional para os médicos e avalia que “o Brasil possui apenas 1,8 médico para cada 1.000 habitantes, desigualmente distribuídos por suas regiões, ao contrário de outros países como a Argentina (3,2), Uruguai (3,7), Portugal (3,9), Espanha (4), Austrália (3), Itália (3,5), Alemanha (3,6) ou Reino Unido (2,7)”. Para ele, o programa Mais Médicos “configura uma política pública da maior importância social, sobretudo ante a comprovada carência de recursos humanos na área médica no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS)”. Suspender a validade do projeto do governo, diz o magistrado, produziria efeitos maléficos imediatos na população.

Classe médica — Tesoureiro da AMB, José Bonamigo lamentou a decisão de Lewandowski, mas ressaltou que a entidade tem outras estratégias para evitar que a MP dos Médicos seja aprovada. Nessa quinta-feira, a associação entrou com uma ação civil pública na Justiça Federal questionando os efeitos da proposta. Um dos argumentos apresentados na ação é que a medida provisória viola o princípio da isonomia, “em razão da diferença de tratamento oferecido aos usuários da saúde pública, nos centros urbanos e nas regiões interioranas do país”.

“É uma aberração completa essa MP. Do ponto de vista legal, existem várias normas questionáveis sobre condições de trabalho”, afirmou o membro da AMB. Bonamigo reforçou que acredita mais em resultados da mobilização popular e da categoria contra a proposta do que em decisões jurídicas. Ele antecipou que em agosto, quando o Congresso retornar do recesso, as entidades médicas intensificarão o diálogo com os parlamentares.

Mandado de segurança — No dia 18 deste mês, o Supremo Tribunal Federal deu um prazo de 10 dias para que a presidência da República prestasse esclarecimentos sobre a MP dos Médicos. As informações que forem enviadas pela presidência servirão para embasar o julgamento de mandado de segurança, protocolado no dia 17 de julho pelo deputado federalJair Bolsonaro (PP-RJ) contra a MP do programa.

Fonte: Revista Veja

Sobre o editor

Willames Costa
Wíllames Costa
Editor

Instagram

Parceiros do blog