Lula sai em defesa de Fernando Haddad após ministro ser vaiado

Zé Carlos Barretta/Folhapress

Em discussão sobre reforma política, Lula defende mandato menor para senadores

O ex-presidente Lula socorreu ontem o ministro Fernando Haddad (Educação), seu pré-candidato à Prefeitura de São Paulo pelo PT, de vaias de estudantes que protestavam por mais investimento público no setor.

Ele fez um discurso agressivo em defesa do afilhado, que foi hostilizado por cerca de 20 manifestantes ligados ao PSOL e ao PSTU em solenidade pelos cinco anos da Universidade Federal do ABC, em Santo André.

Lula e aliados defendem mandato menor para senadores
Marta deve vencer prévia no PT, diz dirigente do PSB
Prefeiturável, Haddad amplia meta para construção de creches

O ato oficial teve tom de campanha por Haddad, que foi elogiado em discursos, mas ouviu vaias e coro em defesa da aplicação de 10% do valor do PIB em educação.

Irritado com o protesto, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva exaltou a gestão de Haddad e repreendeu os estudantes, sugerindo que as vaias tinham fim eleitoral.

“Eu duvido que na história deste país um ministro da Educação tenha se dedicado 10% do que este rapaz se dedicou”, afirmou ele.

Ele ironizou o mote dos estudantes, que pediam a aplicação de 10% do Produto Interno Bruto do país em educação: “Esta proposta é nova. Até ontem, a faixa era de 7%”.

“Se esses jovens tivessem feito a reivindicação no meu governo, possivelmente teriam sido atendidos”, disse.

“Gritar é bom, mas ter responsabilidade é muito melhor. Precisamos caminhar para ter 10% do PIB na educação, mas essas coisas não acontecem porque os cidadãos se sentem no direito de gritar”, continuou Lula.

“Não adianta chegar para a mãe e falar ‘Me dá dez pilas’. A mãe não dá e depois ele fala que a mãe é babaca. Mas ele não perguntou se a mãe tinha o dinheiro.”

O ministro também reclamou dos manifestantes, que gritavam em coro: “Haddad, eu não me engano, 7% é proposta de tucano”.

“Eu queria saudar os estudantes do PSTU e do PSOL e pedir uma salva de palmas para eles”, disse.

Sem conseguir interromper o protesto, ele atacou a imprensa e disse que os estudantes estariam servindo à “direita conservadora”.

“Eu contei 20 editoriais de um só jornal contra a expansão da universidade pública. Infelizmente, a direita conservadora conta muitas vezes com apoio da esquerda conservadora para impedir o progresso do nosso país.”

Os estudantes já haviam vaiado Haddad no início da semana, na Faculdade de Educação da USP.

O ministro, que nunca disputou uma eleição, foi nomeado por Lula em 2006 e ficou no governo Dilma Rousseff a seu pedido. Ele oscila de 1% a 2% de intenções de voto nos cenários da pesquisa Datafolha feita em 1º de setembro.

Antes de discursar, ele foi apresentado pelo deputado federal Vicentinho (PT-SP) como “um dos melhores ministros da história do Brasil”.

Com a Folha.com

Sobre o editor

Willames Costa
Wíllames Costa
Editor

Instagram

Parceiros do blog