Mais rico, futebol brasileiro tenta superar Argentina em campo

As seleções locais de Brasil e Argentina fazem dois confrontos neste mês, o primeiro nesta terça-feira, às 21h50, em Córdoba, e o segundo daqui a duas semanas, em Belém.

Para o futebol brasileiro, trata-se da oportunidade de provar que é tão superior ao país vizinho dentro do campo quanto já o é fora dele. O Brasileiro é mais rico, mais organizado e mais visto que o Argentino.

Assim, consegue reter seus talentos por mais tempo e repatriar astros quando ainda têm “vida útil”. Tanto que a seleção de Mano tem nomes badalados, como Ronaldinho e Neymar, titulares mesmo quando os “europeus” estão junto.

Victor R. Caivano/Associated Press
O técnico Mano Menezes conversa com os jogadores durante treino da seleção brasileira
O técnico Mano Menezes conversa com os jogadores durante treino da seleção brasileira

“Talvez alguns anos atrás a situação fosse diferente. Hoje, o nosso ataque inteiro joga no Brasil”, disse o técnico. “Nossa economia mais forte faz com os que os clubes cada vez melhorem mais”.

Dos últimos 20 finalistas da Libertadores, 11 eram times brasileiros e apenas quatro vinham da Argentina. A diferença técnica se dá como consequência da quantidade de dinheiro que o futebol brasileiro movimenta.

No Brasil, os clubes não quiseram brigar com a CBF e a Globo e aboliram a negociação coletiva. As principais agremiações fecharam acordos individuais com a Globo. Movidos por suas torcidas, Flamengo e Corinthians levarão cerca de R$ 100 milhões por ano.

Os valores caem para os outros times, mas nenhum grande receberá menos de R$ 40 milhões. Na Argentina, futebol na TV virou assunto do governo. Até 2009, o Grupo Clarín pagava R$ 100 milhões para exibir o Argentino.

Há dois anos, a Casa Rosada gasta R$ 240 milhões por ano para transmitir o torneio na TV pública. Boca Juniors e River Plate ficam com a maior fatia –R$ 12 milhões cada um, menos do que alguns times da segunda divisão do Brasileiro.

Os outros grandes do país (Independiente, Racing, San Lorenzo e Vélez) embolsam pouco mais de R$ 9 milhões. Os contratos de patrocínio também são muito mais vantajosos para os clubes brasileiros.

O Corinthians fechará 2011 com cerca de R$ 45 milhões de arrecadação com publicidade em seu uniforme. O valor é quase dez vezes mais do que Boca e River conseguem –cerca de R$ 5 milhões cada um. Somados, os dois gigantes argentinos têm a arrecadação de um clube médio do futebol brasileiro.

Ao mesmo tempo em que faturam, as equipes brasileiras também gastam mais. Estima-se que a dívida dos times da primeira divisão argentina some R$ 450 milhões. Um estudo da consultoria BDO RCS mostra que os 20 principais clubes do Brasil devem R$ 3,59 bilhões.

Com a Folha.com

Sobre o editor

Willames Costa
Wíllames Costa
Editor

Instagram

Parceiros do blog