Mais um tubarão capturado pelo barco Sinuelo em Boa Viagem

Mais um tubarão flamengo foi capturado por pesquisadores da expedição do barco Sinuelo, embarcação que faz o monitoramento da costa pernambucana. A captura foi feita na manhã deste sábado (3). Com 1,2 metro, o tubarão macho encontrado nas proximidades do Edifício Acaiaca, em Boa Viagem, é considerado inofensivo. Ele não recebeu o chip acústico usado pelos pesquisadores para monitorar as espécies agressivas e foi devolvido para o mar.

Outros dois tubarões há haviam sido capturados no mar de Boa Viagem nesta expedição realizada pelo barco Sinuelo. Uma fêmea da espécie flamengo, de 1,3 metro de comprimento, e outra lixa de 1,6 metro foram encontradas nas proximidades do Hotel Atlante Plaza.

A expedição do Sinuelo teve início na tarde da quinta-feira (1º), após cerca de 30 horas de interrupção dos trabalhos para reabastecimento e descanso da equipe de cinco profissionais. O grupo ficará em alto-mar até a próxima terça-feira (6).

Os tubarões da espécie cabeça chata e tigre que forem capturados pelo Sinuelo serão levados para uma distância de até 37 km da costa pernambucana e passam a ser monitorados, por cerca de um ano, por pesquisadores da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE).

O barco voltou a operar quatro dias após a morte da turista paulista Bruna Gobbi, 18 anos, atacada por um tubarão, de espécie não identificada. Ela é considerada a 24ª vítima do animal marinho em Pernambuco, desde 1992, quando as estatísticas começaram a ser contabilizadas. Foram 59 ataques, no total.

Primeira expedição

A primeira expedição após o retorno do Sinuelo, que também durou cinco dias, resultou na captura de três tubarões, sendo dois deles da espécie tigre, considerada uma das mais periogosas. Ambos foram encontrados na praia do Paiva, no Cabo de Santo Agostinho. O primeiro, na terça-feira (30), morreu depois de ser atingido em um dos olhos pelo anzol. O macho media 1,1 metro. O segundo, recolhido na quarta-feira, era uma fêmea de 1,5 metro. Ela não resistiu aos ferimentos resultantes de estresse durante a captura.

De acordo com o Instituto Oceanário, cerca de 15% dos tubarões morrem durante esse tipo de operação. Eles foram encaminhados para pesquisa na UFRPE. O outro fisgado foi uma fêmea do tipo lixa, mais inofensivo, de 2,35 metros. Também estava nas proximidades do Hotel Atlante Plaza.

Fonte: Do Diário de Pernambuco

Sobre o editor

Willames Costa
Wíllames Costa
Editor

Instagram

Parceiros do blog