Mesmo sem ingressos, brasileiro viaja 36h para ver o Pan

De Imperatriz, no Maranhão, para Brasília e em seguida São Paulo. Depois, Cidade do Panamá, Cidade do México e, enfim, Guadalajara. No total, 36 horas de viagem para chegar ao Pan. E sem ingresso para nenhuma das competições.

Confira a galeria dos medalhistas brasileiros
Confira o especial do Pan
Acompanhe o quadro de medalhas do Pan
Leitora critica transmissão do Pan de Guadalajara

Josafá Granjeiro, 43, não é atleta, parente de jogador ou técnico, nem sequer tem familiares no México. Ele gosta de esporte e, mais ainda, de torcer para o Brasil.

Daniel Marenco-21.out.11/Folhapress
Josafá Granjeiro segura cartaz no ginásio do Parque San Rafael, onde a seleção feminina de handebol jogou
Josafá Granjeiro segura cartaz no ginásio do Parque San Rafael, onde a seleção feminina de handebol jogou

Planejou as férias da Caixa Econômica Federal, onde trabalha há 22 anos, para o período dos Jogos.

Não conseguiu comprar ingresso pela internet. Arriscou. Cerca de uma hora depois de desembarcar em Guadalajara, na terça-feira passada, se encaminhou para a semifinal feminina do vôlei.

Chegou no ginásio e já não havia ingresso para Brasil x República Dominicana. Pediu na fila, tentou na bilheteria, falou com voluntários. Não deu, ia ficar para fora.
Até que, uma das voluntárias se aproximou e, por baixo da bandeira do Brasil que Josafá carrega, lhe deu um ingresso gratuitamente.

Bastou para ele tentar a sorte novamente na final do dia seguinte. Não conseguiu ver a vitória sobre Cuba, mas, quando os portões foram abertos para a torcida deixar o ginásio, lá foi o maranhense ver a premiação, tirar fotos das jogadoras e conseguir autógrafos das campeãs.

Na quinta, mais uma aventura, conseguir ingresso para a semifinal feminina do handebol, entre México e Brasil. Conseguiu. No hotel, um argentino havia comprado ingresso para as duas semifinais, desistiu de ver a brasileira. Sobrou (no bom sentido) para Josafá, que pagou o preço oficial (cerca de R$ 10).

“Eu era o único brasileiro no jogo [contra o México], mas tentei gritar mais alto”, disse o caixa de banco.

Em Guadalajara, ele já conseguiu comprar mais dez ingressos, estes em bilheterias. A maioria para o atletismo. Tentou os da ginástica artística, e não conseguiu. Vai insistir nas filas. Mais brasileiros já conseguiram, de graça, ingressos dos mexicanos. O preço é muito baixo.

No fim de semana, ônibus e viagem noturna para Puerto Vallarta, a 350 km de Guadalajara, para assistir ao vôlei de praia. Ia amanhecer na fila para sensibilizar quem tivesse ingresso sobrando.

A ideia de viajar para torcer pelo Brasil surgiu em 2004, quando foi para a Olimpíada de Atenas. Queria ir para Pequim-2008, mas o valor total da viagem ficou o mesmo que gastaria para levar a família toda (mulher e dois filhos) para ver o Pan do Rio, em 2007. Foi o que fez.

“Estar aqui com o Brasil não tem preço, mas não viajo sem poder pagar”, disse.

Falando inglês e espanhol básicos, tentando conversar com todos nos ginásios, Josafá quer levar sua bandeira e animação para as disputas onde houver brasileiros.

Ao menos uma conquista ele já garantiu no Pan, a da simpatia dos mexicanos.

Com a Folha.com

Sobre o editor

Willames Costa
Wíllames Costa
Editor

Instagram

Parceiros do blog