Musas da natação surgem como promessas para 2016

Altas, fortes, velozes e lindas. Duas revelações da natação feminina do Brasil, que ainda tenta emplacar na elite mundial, já começam a incomodar as top brasileiras.

Satiro Sodré/Divulgação CBDA
Alessandra Marchioro durante aquecimento, no Parque Aquático Maria Lenk
Alessandra prende o cabelo durante aquecimento

Alessandra Marchioro, 18, e Carolina Bergamaschi, 17, são promessas para a Rio-16.

Em comum, têm a predileção pelas provas de velocidade, o sonho de já nadar nos Jogos Olímpicos de Londres, em 2012, e a beleza que chama a atenção fora da água.

“Minha meta é o índice para a Olimpíada”, diz Alessandra, terceira nos 50 m livre (25s72) do Troféu José Finkel, em Belo Horizonte. A marca olímpica mínima é 25s20.

Hoje, ela nada a semifinal dos 100 m livre. As provas no Minas Tênis começam às 10h.

A nadadora do Curitibano foi ao Jogos da Juventude, em 2010. Terminou com dois quartos lugares e um quinto.

“São duas grandes promessas. Fortes, têm estrutura grande, ótima para velocistas. Precisam amadurecer psicologicamente e persistir”, declara Flávia Delaroli, 27, segunda colocada nos 50 m livre no José Finkel.

“Elas têm o pacote completo. Sempre penso: como ainda perdem de mim? Elas podem fazer muito mais do que eu já sonhei fazer”, afirma.

Para a velocista, musa da natação, a beleza das duas pode até ser aliada. “Mas depende de como encaram. É gostoso ser chamada de bonita, mas elas têm de saber o que querem da vida”.

Carolina era a única brasileira no Mundial júnior deste ano. Foi sétima nos 50 m livre (26s22). “Ela é disciplinada, concentrada e tranquila. Tem um profissionalismo incrível. Falo com ela como falo com o Felipe [França, campeão mundial]”, diz Arílson Soares, do Pinheiros, seu técnico desde janeiro, após ela deixar o Curitibano (PR).

O surgimento de atletas com o potencial dessas novatas ainda é raridade no país.

“Não existe um trabalho específico para o feminino. Aparece um ou outro nome, mas não é uma coisa em massa. Falta trabalho psicológico. Quem sabe para 2016 tenhamos algum programa”, diz Fabíola Molina, 37, que não foi ao Mundial-11 por estar suspensa por doping.

O país levou só uma atleta com índice a Xangai, Daynara de Paula, 22, que foi à semifinal dos 50 m borboleta.

“A natação feminina melhorou, mas falta muito para entrar na elite. A renovação está mais lenta. Talvez seja um problema estrutural da sociedade, que estamos tentando mexer”, disse Ricardo de Moura, superintendente técnico da confederação brasileira, após o Mundial.

Satiro Sodré/Divulgação
Alessandra Marchioro nada para sair da piscina após completar a prova
Alessandra Marchioro nada para sair da piscina após completar a prova

Fonte: Folha.com

Sobre o editor

Willames Costa
Wíllames Costa
Editor

Instagram

Parceiros do blog