Na ONU, Argentina cobra ajuda do Irã em investigação de atentado

Jason Szenes/Efe

Na ONU, Argentina cobra ajuda do Irã
em investigação de atentado em 1994

Em seu discurso na 66ª Assembleia Geral das Nações Unidas, a presidente da Argentina, Cristina Kirchner, pediu nesta quarta-feira ao Irã que cumpra sua promessa de colaborar nas investigações sobre o atentado de 1994 contra uma entidade judaica de Buenos Aires, que deixou 85 mortos.

Promotores argentinos dizem que o ministro iraniano da Defesa, Ahmad Vahidi, participou do planejamento da explosão que destruiu a sede da Associação Mútua Israelita Argentina.

O Irã há anos nega envolvimento com o atentado, mas, em julho, Teerã ofereceu à Argentina um diálogo destinado a “lançar luz” sobre o incidente.

“Acreditamos que o diálogo deve ser construtivo e honesto, e deve alcançar resultados para que possa ser crível, de modo que não seja entendido como uma manobra para protelar ou distrair”, disse Cristina em Nova York.

“Embora a mensagem que tenhamos recebido do Irã implique uma mudança de atitude por parte do governo, ela em si não satisfaz nossas reivindicações (…) por justiça”, acrescentou. “No entanto, trata-se de uma oferta de diálogo que a Argentina não pode e não deve rejeitar.”

No ano passado, a presidente sugeriu a realização de um julgamento em um país neutro para determinar quem foi o responsável pelo ataque, mas o Irã rejeitou a proposta.

DA REUTERS, EM NOVA YORK

Sobre o editor

Willames Costa
Wíllames Costa
Editor

Instagram

Parceiros do blog