Náutico acorda no 2º tempo, vence o Salgueiro e assume a vice-liderança

 


Kieza mandou uma bola na trave e deu o passe para o gol. Foto: Rodrigo Lobo/JC Imagem

Num segundo tempo com mais atitude o Náutico reabilitou-se em grande estilo na Série B. O time alvirrubro venceu o Salgueiro por 1×0, manteve a melhor campanha como mandante e, ainda por cima, assumiu a vice-liderança da competição com os 44 pontos marcados. Já o Salgueiro cada vez mais embarca no rebaixamento, estacionado com 22 em penúltimo lugar.

O Náutico tentou usar de velocidade para envolver o Salgueiro nos primeiros minutos. Porém, o que se viu foi mais correria, dando a impressão que os jogadores estavam mais velozes que a bola. Kieza provou isso aos nove minutos. Correu tanto que passou da linha da bola. Terminou desarmado.

»Técnico diz que dificuldades virão em todos os jogos

» Derley e Elicarlos foram os destaques individuais

De seu lado, o Salgueiro não escondia sua pretensão de tentar surpreender no contra-ataque. Porém, faltava mobilidade ao seu meio de campo, principalmente Paulo Santos, principal articulador. Clebson, que tem por característica dar opção em todos os lados poderia ser uma opção para acrescentar mais poder de fogo.

O meio de campo do Náutico, também mexido, sofreu sem um meia de origem. Elton não ocupava a faixa entre os volantes e a dupla de ataque. Com isso, Rogério e Kieza não foram municiados como deveriam. A melhor oportunidade surgiu num avanço de Derley aos 16. Ele serviu Rogério. Livre, o camisa 11 chutou rasteiro, à direita do gol.

O Salgueiro também teve sua chance parecida – com um pouco mais de dificuldade. Num chutão da defesa, Ricardinho recebeu dentro da área com liberdade para evoluir. Porém, ele preferiu o chute precipitado. A bola bateu em Ronaldo Alves, que estava à sua frente, e saiu.

Como o Náutico não conseguia deixar seus atacantes em condições de finalizar, o Salgueiro foi encontrando seu espaço aos poucos. E terminou dando um susto em Gideão aos 37. Renê arriscou de fora da área e a bola explodiu no travessão. No final da etapa, Elton saiu de campo com uma lesão muscular. Philip entrou em seu lugar. A última chance terminou saindo dos pés de Philip, que ajeitou para Elicarlos tentar mais uma vez marcar um gol no seu jogo centenário. A bola passou raspando a trave esquerda.

O timbu voltou para o segundo tempo tentando a marcação na saída de bola do Salgueiro. Tanto que aos dois minutos foram duas excelentes oportunidades desperdiçadas. Aos 50 segundos, Rogério fez grande jogada pelo lado direito da área e rolou rasteiro para Derley. De primeira, ele chutou emcima de Juninho.

Aos dois, após cobrança de falta, Luciano soltou a bola e Marlon chutou. A bola bateu nas costas do goleiro sertanejo. Demonstrando bem mais vontade de vencer, o Náutico manteve o Salgueiro encurralado e aos nove foi a vez de Kieza, dentro da área, chutar fraco, nas mãos do goleiro.

O técnico do Salgueiro, Luiz Carlos Barbieri, tentou segurar o ímpeto alvirrubro com uma substituição ousada. Tirou o meia Paulo Santos para acionar Thiago Marabá. Com mais um homem na frente, um dos volantes alvirrubros não poderia se arriscar tanto ao ataque.

Mas não foi o que se viu na prática. Sem Paulo Santos, o time visitante perdeu seu jogador que tinha um mínimo de lucidez. Assim, um dos três precisou recuar e não aliviou a maior posse de bola dos alvirrubros no campo de ataque. De tanto martelar, o Náutico foi recompensado aos 26. Kieza, que já acertara a trave, mesmo pressionado, conseguiu cruzar rasteiro para o meio da área. Derley apareceu em velocidade e empurrou para as redes.

Barbieri arriscou ainda mais ao tirar o zagueiro Juninho, machucado, para entrar com mais um atacante, Edmar. Mas o efeito só apareceu aos 35 minutos num chute que Fabrício Ceará só conseguiu porque fez tabela, sem querer, com o volante Everton. Na teoria, o quarteto de atacantes assustou. A tal ponto de Waldemar Lemos acrescentar um terceiro zagueiro (Diego Bispo) para sacrificar o lateral Neno.

O Salgueiro tirou proveito dessa mudança muito mais pelo recuo de Elicarlos do que pelos seus próprios méritos. Mas só equilibrou a posse de bola. Fazê-la chegar com qualidade a Fabrício Ceará e Ricardinho foi mais complicado e o jogo terminou mesmo com vitória alvirrubra.

Ficha do jogo:

Náutico: Gideão; Neno (Bispo), Marlon, Ronaldo Alves e Jeff Silva; Everton, Elicarlos, Derley e Élton (Philip) (Philip); Kieza e Rogério. Técnico: Waldemar Lemos.

Salgueiro: Luciano; Mateus (Amaral), Juninho (Edmar), Alexandre e Piauí; Pio, Josa, Renê e Paulo Santos (Thiago Marabá); Ricardinho e Fabrício Ceará. Técnico: Luiz Carlos Barbieri.

Local: Aflitos. Árbitro: Cláudio Mercante (PE). Assistentes: José Pedro Wanderley e Alcides Lira (ambos de PE). Gol: Derley, aos 26 do segundo tempo. Cartões amarelos: Elton, Jeff Silva, Marlon, Fabrício Ceará, Luciano e Mateus. Público: 15.007. Renda: R$ 93.990.

Com Do JC Online

Sobre o editor

Willames Costa
Wíllames Costa
Editor

Instagram

Parceiros do blog