Netanyahu ampliará colônia em troca de libertação de presos, diz jornal local

Jerusalém, 31 jul (EFE).- O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, se comprometeu a aprovar a construção de 5,5 mil casas em colônias judaicas para que um partido ultra-direitista de sua coalizão aprovasse a libertação alguns presos palestinos, informou nesta quarta-feira o jornal “Maariv”.

Segundo a fonte, Netanyahu teria feito esse acordo em segredo com o ministro da Habitação, Uri Ariel, do ultra-direitista Habait Hayeudí. Neste primeiro momento, a negociação incluiria a construção de mil casas e, posteriormente, mais 4,5 mil em troca que esse partido não saísse do governo pela aprovação, no último domingo, da libertação de 104 presos palestinos condenados por “crimes de sangue”.

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, tentou evitar que o pacto não fosse divulgado nesse momento, no qual israelenses e palestinos tentam, com o apoio de Washington, reiniciar as negociações de paz. EFE/Arquivo

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, tentou evitar que o pacto não fosse divulgado nesse momento, no qual israelenses e palestinos tentam, com o apoio de Washington, reiniciar as negociações de paz. EFE/Arquivo

As negociações em questão foram realizadas através de cartas seladas trocadas por mensageiros, ressaltou o jornal, que cita altos cargos do partido, mas não revela suas identidades.

Desta forma, o primeiro-ministro israelense tentou evitar que o pacto não fosse divulgado nesse momento delicado, no qual israelenses e palestinos tentam, com o apoio de Washington, reiniciar as negociações de paz que foram interrompidas em setembro de 2010, precisamente pelo reatamento da construção nas colônias após dez meses de brusco recesso.

De acordo com o jornal citado, a construção das colônias será aprovada nos próximos meses e se concentrará, principalmente, em Jerusalém Oriental e nos grandes blocos de assentamentos, que Israel entende que ficarão sob sua soberania em qualquer acordo de paz.

O governo israelense aprovou no último domingo a libertação de 104 presos palestinos que cumprem pena em prisões israelenses desde antes da assinatura dos Acordos de Oslo (1993), com base em uma das condições palestinas para retomar o processo de paz.

A decisão de pôr os prisioneiros em liberdade, que será feita em diferentes fases e a partir do avanço dos diálogos, foi aprovada com uma pouca maioria – 13 votos a favor, 7 contra e 2 abstenções.

A aprovação facilitou que as equipes negociadoras palestinas, liderado por Saeb Erekat, e israelenses, por Tzipi Livni, se encontrassem em Washington nesta semana para concordar as linhas gerais e questões técnicas que delimitarão as conversas.

O secretário de Estado americano, John Kerry, principal impulsor das negociações, mostrou ontem sua intenção que as partes cheguem a um acordo que ponha um fim no conflito nos próximos nove meses.

Da EFE

Sobre o editor

Willames Costa
Wíllames Costa
Editor

Instagram

Parceiros do blog