Operação contra milícias prende dez no Rio; ex-PM é procurado

A Polícia cumpriu nesta quinta-feira dez mandados de prisão contra suspeitos de pertencer a milícia conhecida como Liga da Justiça, que atuava na zona oeste do Rio. Um ex-policial, apontado como atual chefe do grupo paramilitar, ainda é procurado.

Ex-membro da Corregedoria deve se entregar
Polícia prende nove em operação contra milicianos no Rio
Polícia faz operação contra milicianos na zona oeste do Rio

Quatro dos dez presos já estavam detidos no Batalhão Especial Prisional da PM, de onde participavam da quadrilha. Ao todo, foram expedidos 18 mandados de prisão e 33 de busca e apreensão, que devem ser cumpridos hoje como parte da Operação Pandora.

De acordo com investigações da Secretaria de Segurança e do Ministério Público, a milícia é liderada pelo ex-PM Toni Angelo Souza de Aguiar. A polícia identificou ainda envolvimento do policial civil aposentado Anisio de Souza Bastos com o grupo.

Pelas investigações, Bastos, quando lotado na Coinpol (Corregedoria Interna da Polícia Civil do Rio), entre 2010 e o primeiro semestre deste ano, abastecia a quadrilha de informações sobre operações policiais que afetassem a atuação do bando.

Além disso, ele alimentava operações contra rivais da Liga da Justiça dentro da Polícia Civil. De acordo com o delegado Alexandre Capote, da Draco/IE (Delegacia de Repressão às Ações do Crime Organizado e Inquéritos Especiais), Bastos recebia R$ 40 mil mensais pelo serviço.

Além das prisões, foram apreendidos ainda na operação de hoje armas, carregadores e uma luneta que, segundo policiais, era usado para observar moradores da região.

CRIMES

De acordo com a polícia, o grupo explora os moradores com o controle do serviço de transporte alternativo de vans e mototáxis, exploração de caça-níqueis, monopólio da venda de botijões de gás e água, cobrança de taxa de segurança e transmissão de sinais de televisão e internet.

A polícia aponta ainda o envolvimento dos suspeitos em homicídios qualificados, extorsões, ameaças, posse e porte ilegal de armas de fogo. Entre a área dominada pelo grupo estão Campo Grande, Cosmos, Inhoaíba, Santíssimo, Paciência, Sepetiba e adjacências.

O grupo conhecido como Liga da Justiça é, segundo a polícia, conhecido como uma das mais perigosas milícias da cidade do Rio. Os ex-parlamentares Natalino Guimarães e Jerônimo Guimarães, o Jerominho, são apontados como criadores do grupo. Ambos estão presos.

Fonte: Folha.com

Sobre o editor

Willames Costa
Wíllames Costa
Editor

Instagram

Parceiros do blog