Papa viaja amanhã para o Rio de Janeiro sem temer protestos no Brasil

Cidade do Vaticano, 21 jul (EFE).- O papa Francisco partirá nesta segunda-feira para o Rio de Janeiro, sua primeira viagem internacional e justamente para o seu continente de origem, onde participará da Jornada Mundial da Juventude (JMJ), que deverá ser acompanhada por mais de dois milhões de jovens de todo o mundo.

A visita se produz no meio dos protestos sociais que estão ocorrendo no Brasil nas últimas semanas, mas que não influenciaram na programação da viagem, que Francisco realiza com “serenidade e confiança”.

Mario Jorge Bergoglio não é o primeiro papa que visita uma favela na cidade, pois João Paulo II também visitou uma comunidade no Rio. EFE/Arquivo

Mario Jorge Bergoglio não é o primeiro papa que visita uma favela na cidade, pois João Paulo II também visitou uma comunidade no Rio. EFE/Arquivo

“Temos total confiança na capacidade das autoridades brasileiras de lidar com a situação”, disse o porta-voz do Vaticano, Federico Lombardi.

O porta-voz disse que tanto o papa como o Vaticano tem consciência dos protestos mas sabem que as manifestações não têm nada de específico contra o pontífice ou a Igreja.

Hoje, o papa afirmou que o evento será a “semana da juventude”. Diante de milhares de pessoas reunidos na praça São Pedro, no Vaticano, para assistir a reza do Ângelus, Francisco pediu que os fiéis “acompanhem espiritualmente com preces” sua viagem ao Brasil.

O papa afirmou que no Rio haverá tantos jovens de todo o mundo que a JMJ na realidade é a “semana mundial da Juventude”. O pontífice encorajou os jovens a perguntarem a Jesus o “que têm que fazer com suas vidas, o que quer deles e qual é o caminho que devem tomar”.

Francisco pediu também a intercessão de Maria, “tão amada e venerada” no Brasil, para esta “nova etapa da grande peregrinação de jovens pelo mundo”. O papa visitará a Basílica de Nossa Senhora, na cidade de Aparecida, em São Paulo, no dia 24 de julho.

Nos últimos dias o papa fez diversos comentários sobre a JMJ. Ontem, o papa foi do Vaticano para a Basílica de Santa Maria Maggiore de Roma para pedir à Virgem proteção em sua primeira viagem internacional. Diante da imagem de Nossa Senhora, o pontífice rezou por mais de meia hora, fez uma oferenda de flores e acendeu um círio com o emblema da JMJ.

Em 19 de julho, Francisco visitou o papa emérito Bento XVI para pedir que ele o acompanhe com suas preces durante a JMJ, convocada por Joseph Ratzinger ao final da jornada realizada em Madri em agosto de 2011.

Esta é a primeira Jornada Mundial da Juventude, criada por João Paulo II em 1984, liderada por Francisco, que a “herda” de Bento XVI, que renunciou ao pontificado.

Esta é a segunda viagem de Mario Jorge Bergoglio desde que se tornou papa. A primeira foi a visita à ilha italiana de Lampedusa, em 8 de julho, onde se reuniu com imigrantes ilegais.

Francisco partirá de Roma acompanhado de seu “primeiro-ministro”, o secretário de Estado, o cardeal Tarcisio Bertone, e do Substituto da Secretária de Estado (número três do Vaticano), o arcebispo Giovanni Angelo Becciu.

Além disso, viajarão com o papa os cardeais Marc Oullet, presidente da Comissão Pontifícia para a América Latina, e o brasileiro João Braz de Aviz, prefeito regional da Congregação para os Institutos de Vida Consagrada.

Durante sua estadia, o papa não usará o papamóvel blindado, mas o jipe que costuma utilizar todas as quartas-feiras na audiência pública realizada neste dia na praça São Pedro.

Entre os lugares que serão visitados pelo papa no Rio estão um hospital para jovens indigentes, dependentes químicos e alcoólatras e a comunidade de Varginha, no complexo de Manguinhos, que até o final do ano passado era controlado pelo tráfico de drogas.

O local tem cerca de dois mil habitantes e o papa deverá caminhar pelo favela, entrar em uma casa e saudar seus moradores e depois se reunir com a comunidade em um campo de futebol.

Mario Jorge Bergoglio não é o primeiro papa que visita uma favela na cidade, pois João Paulo II também visitou uma comunidade no Rio.

Francisco é o terceiro papa que visita o Brasil. João Paulo II veio quatro vezes ao país e Bento XVI uma.

Um total de 14.000 policiais cuidarão da segurança da JMJ, evento que contará com a presença de seis mil jornalistas de todo o mundo.

Além disso, o evento terá a participação de mil bispos e 250 deles realizarão catequeses com jovens, realizadas em 300 lugares diferentes do Rio de Janeiro. Delas, 133 serão em português, 50 em espanhol, 25 em inglês, 15 em italiano e em francês, oito em alemão e cinco em árabe.

A JMJ foi criada em 1984 e desde então ocorreu em Roma (1985), Buenos Aires (1987), Santiago de Compostela (Espanha, 1989); Czestochowa (Polônia, 1991); Denver (EUA 1993), Manila (1995), Paris (1997), Roma (2000), Toronto (Canadá, 2002), Colônia (Alemanha, 2005), Sydney (2008) e Madri (2011).

Da EFE

Sobre o editor

Willames Costa
Wíllames Costa
Editor

Instagram

Parceiros do blog