Para agradar torcida, São Paulo busca ‘grande jogo’

O São Paulo vence, mas a torcida reclama e recepciona Adilson Batista com vaias.

O time sobe na tabela, vira vice-líder e encosta no Corinthians. Só que a desconfiança continua como um rótulo estampado em sua camisa.

O técnico são-paulino percebeu que derrotar os adversários e se manter bem posicionado no Brasileiro não são suficientes para afastar as dúvidas sobre seu trabalho.
É preciso mais que isso.

Na entrevista coletiva concedida por Adilson antes do jogo contra o Grêmio, neste domingo, em Porto Alegre, que pode levar a equipe à ponta do Nacional, as expressões mais corriqueiras foram “convencer” e “fazer grandes jogos”.

O treinador admite que, apesar de estar somando pontos e integrar a lista de postulantes ao título, o São Paulo está longe de mostrar um futebol envolvente, que brilha.

Seu maior mérito no campeonato tem sido a eficiência.

A vitória por 2 a 1 sobre o Atlético-MG, quarta-feira, só aconteceu porque o time transformou em gol as duas únicas finalizações que acertou durante toda a partida.

No triunfo anterior, contra o Figueirense, os maiores elogios não foram direcionados à qualidade técnica de um Rivaldo que saiu do banco para decidir o jogo, mas sim à garra dos reservas que foram utilizados pelo treinador.

E a falta da possibilidade de se fechar atrás e contra–atacar (ou a ausência de criatividade para furar defesas) é apontada como culpada pela campanha inferior no Morumbi do que longe dele.

“Temos consciência de que precisamos melhorar, fazer aquele jogo. Mas vai acontecer”, afirmou Adilson, que tem reclamado dos desfalques e da falta de tempo para treinar e fazer o time chegar ao padrão que ele espera.

“Gosto de um futebol bem jogado, minhas equipes costumam fazer grandes jogos. Essa cobrança é minha também”, declarou o técnico.

Quando questionado pela Folha em que momento do campeonato o São Paulo se aproximou do seu objetivo, conseguiu lembrar de alguns momentos das vitórias sobre Bahia, Ceará e Coritiba.

Mas se calou depois do pedido para que escolhesse apenas uma partida ideal, em que o time realmente convenceu. Depois de pensar muito, limitou-se a responder: “Ainda vai acontecer”.

Com a Folha.com

Sobre o editor

Willames Costa
Wíllames Costa
Editor

Instagram

Parceiros do blog