Partida sob suspeita de marmelada na Série C pode ser anulada

O STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva) decidiu levar a julgamento a polêmica partida entre Fortaleza e CRB, sábado passado, pela última rodada da fase de grupos da Série C do Campeonato Brasileiro. A Procuradoria já elaborou as denúncias para os dois clubes e a partida pode ser anulada, tendo que ser disputada novamente.

O árbitro Gutemberg de Paula Fonseca (RJ), além de dois jogadores expulsos e outros dois envolvidos na suposta combinação de resultados, também serão julgados. O caso está na pauta da Segunda Comissão Disciplinar do órgão, em sessão marcada para a próxima terça-feira, a partir das 17 horas, no Rio.

O Fortaleza escapou da queda à Série D após um jogo bizarro. Precisando vencer por 4 a 0 para se salvar, o time cearense conseguiu o placar, mas é acusado de ter contado com a ajuda do CRB-AL, seu adversário daquela tarde.

Aos 37min do segundo tempo, com o time alagoano já classificado, o Fortaleza chegou ao terceiro gol. As imagens da partida mostram Carlinhos Bala, atacante da equipe, dirigindo-se aos jogadores do CRB com o indicador levantado.

Para o Campinense-PB, o atacante pedia para os rivais deixarem o Fortaleza fazer mais um gol. Minutos depois, a equipe cearense chegou aos 4 a 0 e escapou.

Confira, um a um, os denunciados no mesmo processo:

Fortaleza Esporte Clube: artigos 206, 243-A § único e 213 III, todos do CBJD.

– 206 = Dar causa ao atraso do início da realização de partida ou deixar de apresentar a sua equipe em campo até a hora marcada para o início ou reinício da partida. Pena: multa de R$ 100 a R$ 1 mil por cada minuto de atraso.

– 243-A = Atuar, de forma contrária à ética desportiva, com o fim de influenciar o resultado de partida. Pena: multa de R$ 100 a R$ 100 mil.
– Parágrafo único do 243-A = Se do procedimento atingir-se o resultado pretendido, o órgão judicante poderá anular a partida.

– 213 III = Deixar de tomar providências capazes de prevenir e reprimir: lançamento de objetos no campo ou local da disputa do evento desportivo. Pena: multa de R$ 100 a R$ 100 mil.
CRB: artigo 206 do CBJD.

– 206 = Dar causa ao atraso do início da realização de partida ou deixar de apresentar a sua equipe em campo até a hora marcada para o início ou reinício da partida. Pena: multa de R$ 100 a R$ 1 mil por cada minuto de atraso.

Árbitro Gutemberg de Paula Fonseca: artigo 266 do CBJD.

– 266 = Deixar de relatar as ocorrências disciplinares da partida ou fazê-lo de modo a impossibilitar ou dificultar a punição de infratores, deturpar os fatos ocorridos ou fazer constar fatos que não tenha presenciado. Pena: suspensão de 30 a 360 dias, cumulada ou não com multa de R$ 100 a R$ 1 mil.

Jogador Paulo Rodrigues, do CRB: artigo 250 do CBJD.

– 250 = Praticar ato desleal ou hostil durante a partida. Pena: suspensão de uma a três partidas.
Goleiro Cristiano, do CRB: artigo 258 do CBJD.

– 258 = Assumir qualquer conduta contrária à disciplina ou à ética desportiva não tipificada pelas demais regras deste Código. Pena: suspensão de uma a seis partidas.
Luiz Anderson de Abreu, o Maisena, do CRB: artigo 243-A do CBJD.

– 243-A = Atuar, de forma contrária à ética desportiva, com o fim de influenciar o resultado de partida. Pena: multa de R$ 100 a R$ 100 mil e suspensão de seis a 12 partidas; no caso de reincidência, a pena será de eliminação.
Carlinhos Bala, atacante do Fortaleza: artigo 243-A, parágrafo único, do CBJD.

= 243-A = Atuar, de forma contrária à ética desportiva, com o fim de influenciar o resultado de partida. Pena: multa de R$ 100 a R$ 100 mil e suspensão de 12 a 24 partidas.

Com a Folha.com

Sobre o editor

Willames Costa
Wíllames Costa
Editor

Instagram

Parceiros do blog