Pelo 4º Brasileiro seguido, Corinthians cai no segundo turno

Das duas, uma: ou começa bem e termina mal ou começa mal e termina pior ainda. Essa tem sido a sina do Corinthians na Série A do Nacional. Em suas últimas três participações, o time fez campanha pior no segundo turno que no primeiro.

Neste ano, a história está se repetindo. O time do técnico Tite começou arrasador: manteve invencibilidade de dez rodadas, nas quais teve nove vitórias e um empate.

Na primeira metade do torneio, conseguiu belo aproveitamento: 65% dos pontos possíveis. Mas, no returno, o time teve apenas 47%.

Até a rodada deste fim de semana, a diferença de aproveitamento entre os dois turnos em 2011 é a maior dos últimos cinco anos, exceto 2008, quando o Corinthians jogou a Série B e foi campeão.

  Editoria de Arte/Folhapress  

A queda no desempenho começou na derrota ante o Cruzeiro, em pleno Pacaembu, na 11ª rodada. Desde então, o time de Tite, técnico que sempre aponta o equilíbrio como fator-chave para o sucesso, só viu instabilidade.

O desequilíbrio se tornou explícito após os dois últimos jogos. Na vitória sobre o Atlético-GO, no domingo passado, a equipe fez um primeiro tempo quase impecável: marcou três gols e definiu a partida nos 45 minutos iniciais.

Três dias depois, ante o Botafogo, no mesmo Pacaembu, fez o inverso: sem objetividade, viu o time carioca fazer dois gols e não teve força nem organização para reagir, mesmo com um homem a mais.

Neste domingo, às 16h, contra o Cruzeiro, a equipe terá a chance de se recuperar do fracasso.

Em Sete Lagoas (MG), o Corinthians enfrentará um rival em crise, perto da zona do rebaixamento, o único que ainda não venceu no returno.

Mas o primeiro adversário alvinegro será sua própria instabilidade. Para explicar a queda no rendimento da equipe, Tite cita a campanha do Paulista, em que foi vice.

“Tínhamos um time que se ajustou no Paulista e estava redondinho”, afirmou. “Enfrentamos equipes que não estavam ajustadas e fizemos aquele número de vitórias. Quando os outros times se ajustaram, equilibrou.”

Curiosamente, o rival de hoje também viveu um excelente começo de ano e depois caiu bastante de produção. Fez boa campanha na Libertadores e deu pinta de que seria o grande time de 2011. Eliminado do torneio, degringolou de vez no Nacional.

Hoje, o Corinthians terá de volta Liedson, artilheiro do time no campeonato com nove gols, que se recuperou de dores que sentia no joelho.

Mas não terá Emerson, que sentiu a coxa. Nem Jorge Henrique, suspenso pelo terceiro amarelo, e nem Adriano. O atacante, ainda fora de ritmo, foi poupado da viagem.

O Corinthians ainda é líder do Brasileiro, com os mesmos 51 pontos do Vasco, mas com uma vitória a mais.

  Jorge Araujo – 14.out.11/Folhapress  
Liedson, que volta ao time, durante treino do Corinthians na sexta-feira
Liedson, que volta ao time, durante treino do Corinthians na sexta-feira

ASPIRANTES AO TÍTULO VIVEM FASE RUIM
Os quatro times que estão na ponta da tabela viveram situação parecida à do Corinthians. O vice-líder Vasco viu seu rendimento cair de 61% para 53% no returno. O Botafogo, hoje em terceiro, caiu de 59% de aproveitamento para 55%. Os cariocas, porém, têm um jogo a menos que os rivais.

CRUZEIRO
Fábio; Vítor, Léo, Victorino e Everson; Fabrício, Charles, Marquinhos Paraná e Montillo; Keirrison e Wellington Paulista
T.: Vágner Mancini
CORINTHIANS
Júlio César; Alessandro, Paulo André, Leandro Castán e Welder; Ralf, Paulinho, Danilo e Alex; Willian e Liedson (Edenilson)
T.: Tite
Estádio: Arena do Jacaré, em Sete Lagoas (MG)
Horário: 16h
Árbitro: Pablo dos Santos Alves (ES)

Colaborou RAPHAEL MARCHIORI, de São Paulo

NA TV
Cruzeiro x Corinthians
16h Band e Globo (para SP)

Com a Folha.com

Sobre o editor

Willames Costa
Wíllames Costa
Editor

Instagram

Parceiros do blog