Peritos de chacina em SP encontram mais três armas e par de luvas

6.jul.2013 - O corpo do casal de PMs, do filho e da irmã da cabo assassinados em chacina na Brasilândia, na zona norte de São Paulo, são enterrados nesta terça-feira (6) no Cemitério Parque das Palmeiras, em Rio Claro, no interior de São Paulo. Eles foram encontrados mortos dentro da residência da família nessa segunda-feira (5). O principal suspeito de ter praticado o crime é o filho do casal, Marcelo Eduardo Bovo Pesseghini, de 13 anos Leia mais Adriano Lima/Brazil Photo Press/Estadão Conteúdo

6.jul.2013 – O corpo do casal de PMs, do filho e da irmã da cabo assassinados em chacina na Brasilândia, na zona norte de São Paulo, são enterrados nesta terça-feira (6) no Cemitério Parque das Palmeiras, em Rio Claro, no interior de São Paulo. Eles foram encontrados mortos dentro da residência da família nessa segunda-feira (5). O principal suspeito de ter praticado o crime é o filho do casal, Marcelo Eduardo Bovo Pesseghini, de 13 anos Leia mais Adriano Lima/Brazil Photo Press/Estadão Conteúdo

Conforme o delegado, as armas foram encontradas em um armário da casa dos PMs. Além delas, a perícia também localizou um par de luvas feito de material sintético no carro da policial morta.

DÚVIDAS NÃO ESCLARECIDAS

– como os vizinhos não ouviram o barulho de tiros que mataram cinco pessoas?
– se de fato matou quatro pessoas e a si próprio, como Marcelo não tinha vestígios de pólvora nas mãos?
– como o menino teria cometido os assassinatos, ido à escola e, mesmo assim, ter cabelos nas mãos quando morreu?
– como um menino “dócil e amoroso” com os pais, segundo familiares e vizinhos, teria sido capaz de um crime tão violento?
– qual o motivo de Marcelo ter colocado um revólver calibre 32 na mochila, se a arma usada para todos os assassinatos foi uma pistola .40?
– por que o depoimento de um adolescente de 13 anos é mais relevante para a polícia formular um juízo de valor do que o de testemunhas adultas que ainda nem foram ouvidas?
– onde os pais de Marcelo guardavam as armas em casa?
– que horas e em que sequência as vítimas foram assassinadas?
– por que só a mãe do menino, a cabo Andréia, estava em posição de submissão ao ser morta?
– a cena do crime poderia ter sido forjada?

Imagens de câmeras de segurança próximas ao colégio em que Marcelo estudava mostraram o menino deixando o carro e seguindo de mochila para a aula por volta das 6h30 da manhã de segunda (5), quando a família já estava morta.

“As armas evidenciam que de fato não houve roubo às vítimas. Elas serão periciadas. Já as luvas podem explicar o porquê de não ter sido encontrada pólvora nas mãos do menino. Ainda que para isso dependam também aspectos como o tipo de arma empregada e a situação dos projéteis”, declarou Franco.

Todas as vítimas foram mortas com tiro na cabeça efetuado por uma pistola .40 que pertencia à mãe de Marcelo. Além dessa arma, foi encontrado tambémum revólver calibre 32 na mochila do estudante.

Os laudos de necropsia que apontarão se as vítimas estavam ou não sedadas ainda não ficou pronto, mas o delegado afirmou que “informações extra-oficias dão conta de que elas faziam uso de medicamentos para dormir”.

O chefe da investigação rechaçoucríticas de que a polícia teria se precipitado ao anunciar a tese de assassinatos seguidos de suicídio.

“É normal, é compreensível que familiares e amigos não aceitem  essa situação, mas os fatos estão comprovando tudo, e estamos nos baseando neles e em documentos. O inquérito não se encerrou, temos 30 dias para concluí-lo. Se considerarmos necessário, vamos prorrogá-lo” afirmou o delegado.

Ainda conforme o policial, ao menos dez testemunhas já foram ouvidas até hoje – entre familiares, professores do colégio em que Marcelo estudava e o pai de um amigo de Marcelo e seu filho, que deram carona para o estudante no dia posterior ao crime. Outros familiares e funcionários da escola serão ouvidos.

Fonte: Do UOL

Sobre o editor

Willames Costa
Wíllames Costa
Editor

Instagram

Parceiros do blog