PF intima mais 48 pessoas para depor sobre fraudes em hospitais do Rio

A Polícia Federal vai ouvir mais 48 pessoas nas próximas semanas como testemunhas nos inquéritos que apuram a oferta de propina para fraudar licitações em um hospital universitário do Rio de Janeiro. O esquema foi revelado em reportagem do “Fantástico”, da TV Globo, na semana passada.

Só 2 prestam depoimento sobre licitações suspeitas no Rio
TCU vai investigar hospitais universitários de todo o Brasil
Paes diz que empresas podem ter fraudado licitações no Rio
Ministério quer sindicância para apurar contratos de hospitais
Saúde suspende contratos com suspeitos de pagar propina
Rio cancela contratos com empresas suspeitas de propina

A Polícia Federal instaurou quatro inquéritos envolvendo as empresas Locanty Soluções (da área de coleta de lixo), Toesa Service (locadora de veículos), Bella Vista Refeições Industriais e Rufolo Serviços Técnicos e Construções.

Os novos convocados são representantes de órgãos federais que fizeram ou têm contratos com as empresas, além de sócios e donos das empresas que foram filmados oferecendo propina para levar contratos.

Nesta segunda-feira, foram ouvidas mais três pessoas, entre elas Rufolo Antônio Villar, dono da empresa Ruffolo, que aparece na reportagem oferecendo propina em troca de uma contratação no hospital pediátrico da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro).

Ao todo, já foram ouvidas 12 pessoas. A algumas delas foi oferecido o benefício de delação premiada, que permite pena menor ou perdão judicial em troca de informações úteis para investigações. Dos cinco intimados na semana passada, um será ouvido amanhã (27) e quatro na quarta-feira.

As empresas negam o pagamento de propina para garantir vendas ou contratação de serviços em licitações.

DA AGÊNCIA BRASIL

Sobre o editor

Willames Costa
Wíllames Costa
Editor

Instagram

Parceiros do blog