Presidente do STJ também redige nota sobre caso Eliana Calmon

STJ

Presidente do STJ também redige
nota sobre caso Eliana Calmon

O presidente do STJ (Superior Tribunal de Justiça), Ari Pargendler, submeteu aos ministros da Corte uma nota, já redigida, semelhante àquela lida por Cezar Peluso no CNJ (Conselho Nacional de Justiça): não citava Eliana Calmon, mas condenava a corregedora por mencionar bandidos ocultos sob a toga, informa o Painel, editado por Renata Lo Prete e publicado na Folha.

A nota de Pargendler foi aprovada por 10 votos a 9, mas foi para a gaveta, graças ao alerta do ministro João Noronha de que decisões colegiadas do STJ requerem 17 votos.

Em recente entrevista, Calmon fez duros ataques a seus pares ao criticar a iniciativa de tentar reduzir o poder de investigação do CNJ. Segundo falou em entrevista à APJ (Associação Paulista de Jornais), o Judiciário sofre com a presença de “bandidos escondidos atrás da toga”.

A declaração causou reação no CNJ, que divulgou nota classificando as declarações de Calmon de “levianas”. A nota foi lida pelo presidente do Supremo durante sessão do CNJ.

A corregedora tenta evitar que o Supremo restrinja a capacidade de investigação do CNJ ao julgar uma ação proposta pela AMB (Associação dos Magistrados do Brasil).

Com a Folha.com

Sobre o editor

Willames Costa
Wíllames Costa
Editor

Instagram

Parceiros do blog