Presidente do TJ-SP diz que inspeção do CNJ é ‘apuração de rotina’

O presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo, Ivan Sartori, afirmou ontem que a inspeção do Conselho Nacional de Justiça na corte não pode ser chamada de investigação e deve ser descrita como uma apuração de rotina.

Ontem a Folha revelou que a inspeção do CNJ feita no tribunal em dezembro tinha como foco 70 desembargadores, mas foi ampliada para os 354 integrantes da corte.

CNJ amplia investigações contra juízes em São Paulo
Presidente de tribunal do Rio pede explicações ao Coaf e ataca OAB
TJ-MT pede que magistrados entreguem declarações de renda
Ex-chefe do TJ-SP liberou R$ 1,5 milhão para si próprio

Eduardo Anizelli – 2.jan.2012/Folhapress
Presidente do TJ paulista rebate termo utilizado pelo CNJ
Presidente do TJ paulista rebate termo utilizado pelo CNJ

Segundo Sartori, o termo “investigação” tem que ser “riscado por enquanto”. “Você até pode usar esse termo nos casos das antecipações [suspeitas de pagamentos privilegiados] de cinco desembargadores, mas, em relação aos outros, o que existe é uma apuração […], uma verificação de rotina sobre exatidão de cálculo.”

Sartori disse que no final de 2011 o CNJ recolheu todas as declarações de renda enviadas à Receita Federal de todos os desembargadores e a folha de pagamento completa do TJ, e isso seria verificado pela conselho dentro de uma rotina que seria repetida em 21 tribunais do país.

O presidente do TJ disse que o texto da Folha sobre a inspeção estava correto, mas que o uso do termo “investigar” na manchete do jornal provocou indignação nele e em outros desembargadores.

Sartori ameaçou processar a Folha. “Se vocês não se retratarem, não explicarem direitinho isso aí, vão receber 354 ações. Eu vou acionar e vou ganhar uma boa grana de vocês. E vocês vão ter que pagar para todos os 354 [desembargadores]. Pode pôr no seu texto”, afirmou.

Fonte: Da Folha.com

Sobre o editor

Willames Costa
Wíllames Costa
Editor

Instagram

Parceiros do blog