Professora ferida por aluno passa bem após cirurgia de 3 horas

A professora Rosileide Queirois de Oliveira, 38, baleada na tarde de ontem (22) por um aluno, permanece internada na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) do Hospital das Clínicas na manhã desta sexta-feira. Ela passa bem e está consciente, segundo a unidade.

‘Todo mundo achou que fosse brincadeira’, relata aluno
Veja imagens da escola
Professora ferida por aluno é operada em SP para retirada da bala
Polícia investiga se garoto sofria bullying
Aluno relata pânico e correria em escola da Grande SP
Aluno que se matou em escola era filho de guarda municipal
Aluno de 10 anos atira em professora e se mata em escola em SP
Escola é bem conceituada em avaliações

A professora passou por uma cirurgia de cerca de três horas –entre as 8h e as 11h de ontem– para a retirada do projetil que, segundo a prefeitura de São Caetano do Sul (Grande SP), ficou alojada entre o reto e o útero. Ainda não previsão de quanto ela deixará a UTI.

Rosileide foi ferida dentro da sala de aula, na escola municipal Professora Alcina Dantas Feijão e recebeu os primeiros atendimentos em um hospital de São Caetano do Sul antes de ser transferida para o Hospital das Clínicas.

De acordo com a polícia, o aluno atirou contra a professora por volta das 15h50. Em seguida ele saiu da sala de aula e atirou contra a própria cabeça.

Ambos foram socorridos com vida. O aluno foi atendido no Hospital de Emergência Albert Sabin, em São Caetano. Ele teve duas paradas cardíacas e morreu às 16h50, de acordo com a prefeitura da cidade.

A escola permanece fechada nesta sexta-feira. De acordo com a prefeitura, a equipe da Secretaria de Educação da cidade deve ser reunir ainda na manhã de hoje para discutir como será feito o retorno às aulas e o acompanhamento psicológico dos alunos.

Zanone Fraissat/Folhapress
Velório do estudante de 10 anos que atirou em professora e depois se matou, em São Caetano do Sul
Velório do estudante de 10 anos que atirou em professora e depois se matou, em São Caetano do Sul

ARMA

A arma usada pelo aluno –um revólver calibre 38– pertence a seu pai, que é guarda municipal. O pai do aluno chegou a sentir falta da arma durante a manhã de quinta e procurou seu filho mais velho, que não estava com ela.

A família soube que o garoto de 10 anos havia pego o revólver do pai somente após o ocorrido. Segundo o secretário municipal de Segurança Pública, Moacyr Rodrigues, a arma é particular e não pertence à guarda civil.

A polícia investiga se o menino era vítima de bullying.

Com a Folha.com

Sobre o editor

Willames Costa
Wíllames Costa
Editor

Instagram

Parceiros do blog