PT pretende usar ato sobre escândalo do cartel para desgastar Alckmin

O ato contra desvios de recursos e suspeitas de envolvimento de agentes públicos em licitações do Metrô e da CPTM, marcado para a tarde de hoje no Vale do Anhangabaú, no centro de São Paulo, será usado pelo PT para tentar desgastar politicamente o governador Geraldo Alckmin (PSDB). O Sindicato dos Metroviários, que lidera a organização do ato, admite que vai usar o coro “Fora, Alckmin” nas ruas.

Veja também:
link Alckmin diz que vai processar Siemens, mas mantém contratos com empresa
link Procuradoria suspeita de ação do cartel de trens em licitações federais
link PT chama caso Siemens de ‘trensalão’; FHC reage

Evelson de Freitas/AE Governador de Sâo Paulo, Geraldo Alckmin, disse nesta terça-feira, 13, que irá processar a Siemens

Evelson de Freitas/AE
Governador de Sâo Paulo, Geraldo Alckmin, disse nesta terça-feira, 13, que irá processar a Siemens

“O governo Alckmin do PSDB recebeu propina de grandes empresas para que elas vencessem licitações com preços superfaturados”, destaca panfleto divulgado para convocar a manifestação, que conta com a assinatura de 21 entidades. Mais de 7,3 mil pessoas confirmaram presença no ato no Facebook até as 21h de ontem.

A militância petista tem sido chamada para as ruas desde a última sexta-feira, quando o presidente nacional do PT, Rui Falcão, batizou o episódio de “trensalão” ou “propinoduto”. “Chega de tucanos em São Paulo”, disse. Ontem, dirigentes do PT estadual e municipal fizeram uma reunião na Assembleia com centrais sindicais para acertar o tom do discurso hoje nos protestos.

slide-1-638

“Definimos que vamos cobrar CPI para apurar o episódio de corrupção envolvendo o PSDB em São Paulo. Não dá para ficar sem apuração”, afirmou Juliana Cardoso, vereadora e presidente municipal do PT. “A CUT não está pedindo impeachment do governador. O que queremos é apuração dos fatos. Há indícios, denúncias, e a CUT vai pressionar os deputados para abrir uma CPI e aprofundar a investigação”, reforçou o presidente da CUT paulista, Adi dos Santos.

O presidente do Sindicato dos Metroviários, Altino de Melo Prazeres, disse que o PT também poderá ser alvo do protesto. “Tanto o mensalão como o que a gente chama de propinoduto em São Paulo, os dois tem que ser combatidos. Então com certeza vai ter menção, sim, ao ‘Fora, Alckmin’, ao mensalão, e a toda corrupção que está colocada em São Paulo e no Brasil”, afirmou.

MPL. Protagonistas dos protestos de junho, o Movimento Passe Livre (MPL) não quer se associar a um protesto contra o PSDB. “Nossa causa é contra a forma como o transporte é ferido para dar lucro para o empresário”, explica a componente do movimento Nina Capello.

O Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), que promete levar mais de 2 mil pessoas ao ato, quer denunciar “desvio de recurso público e falta de investimento em serviços públicos decentes”, diz Guilherme Boulos, membro da coordenação do MTST. “Mas o tom da manifestação não é o tom petista, não é o tom eleitoral. O PT também pode ser cobrado.”

Fonte: O Estado de S. Paulo

Sobre o editor

Willames Costa
Wíllames Costa
Editor

Instagram

Parceiros do blog