Reino Unido quer retirar 1.500 soldados do Afeganistão em 2013

France Presse

Reino Unido quer retirar 1.500<br> soldados do Afeganistão em 2013

O Reino Unido prepara a retirada para o ano que vem de 1.500 soldados desdobrados no Afeganistão antes da saída definitiva do país marcada para 2014, segundo informou nesta terça-feira o site do jornal “The Guardian”.

O primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, já havia informado que a missão militar do Reino Unido no Afeganistão será concluída no final de 2014 e também que reduzirá suas forças para ficar com nove mil soldados no terreno este ano.

A nova estratégia revelada pelo jornal britânico “The Guardian” acrescenta uma nova redução de outros 1,5 mil soldados em setembro de 2013, o que deixaria um total de 7.500 britânicos desdobrados na província de Helman.

Na próxima cúpula da Otan, que será realizada em Chicago em maio, espera-se a determinação oficial da fase seguinte da transição no Afeganistão, o que poderia supor que as forças aliadas deixem seu papel de ataque para passar ao de apoio em 2013, segundo anunciou neste mês o presidente americano Barack Obama.

Tanto os Estados Unidos como o Reino Unido, os países que mais tropas mantêm no Afeganistão, reiteraram sua intenção de seguir adiante com o atual calendário para a retirada, apesar dos rumores sobre uma antecipação devido a uma série de incidentes violentos que aumentaram os receios no país contra as forças aliadas.

No início do mês, um militar americano assassinou 17 civis, entre eles mulheres e crianças, em uma aldeia do sudoeste de Candahar e em fevereiro soldados americanos queimaram exemplares do Corão em uma base militar nos arredores de Cabul, o que provocou protestos por todo o país.

Estes episódios fizeram surgir críticas sobre a conveniência e o êxito da missão da Otan no Afeganistão.

DA EFE, EM LONDRES

Sobre o editor

Willames Costa
Wíllames Costa
Editor

Instagram

Parceiros do blog