Republicanos dos EUA rejeitam proposta de Obama sobre emprego

Kevin Lamarque/Reuters

Republicanos dos EUA rejeitam proposta de Obama para recuperar empregos

Importantes lideranças republicanas do Congresso norte-americano rejeitaram nesta terça-feira a proposta do presidente Barack Obama para estimular o emprego no país e pagar o programa com aumento de impostos.

O líder republicano no Senado, Mitch McConnell, criticou a proposta: “O que o presidente propôs até agora não é sério. E não é um plano de emprego.”

O presidente da Câmara dos Deputados, John Boehner, o principal republicano no Congresso, disse que os parlamentares “precisam encontrar uma linha comum” para estimular o aumento do emprego.

PROJETO

Obama enviou ao Congresso ontem seu projeto de lei, que se consiste basicamente em cortes de impostos para empresários e classe média, em impedir a demissão de centenas de milhares de professores e funcionários públicos e fazer investimentos em infraestrutura.

O plano chega na forma de um amplo pacote de estímulo que para alguns observadores é sua última tentativa de retomar a economia 14 meses antes das eleições.

Apenas 40% dos americanos estão satisfeitos com o desempenho econômico do país no governo Obama, segundo pesquisas.

Obama delineou seu plano diante do Congresso na quinta-feira passada, e a reação inicial dos republicanos, que dominam a Câmara dos Representantes, foi de boas-vindas cautelosas.

Mais da metade do pacote, de cerca de US$ 240 bilhões, viria na forma de redução de impostos.

Mas, paralelamente, a Casa Branca advertiu ontem que pedirá novamente para eliminar as isenções fiscais para as empresas do setor petroleiro, ou aumentar os impostos para os mais ricos, caso o plano siga adiante.

“Se não formos suficientemente ambiciosos, não vai funcionar como deveria”, explicou o presidente.

A taxa de desemprego americana está em 9,1%, e entre os latinos é de 11,3%.

O plano “teria um impacto enorme entre os trabalhadores latinos”, afirmou o presidente, citando estudos da Casa Branca que asseguram que 250 mil pequenos empresários dessa minoria seriam beneficiados.

DA REUTERS

Sobre o editor

Willames Costa
Wíllames Costa
Editor

Instagram

Parceiros do blog