Sob investigação, Israel rompe com Conselho de Direitos da ONU

Israel anunciou nesta segunda-feira o rompimento dos seus contatos com o Conselho de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas, que na semana passada decidiu investigar os assentamentos judaicos da Cisjordânia.

O rompimento, anunciado pela chancelaria de Israel, implica que os investigadores da ONU não poderão realizar seu trabalho pessoalmente no território israelense ou na Cisjordânia, que é um território palestino ocupado por Israel.

Hazem Bader/France Presse
Manifestante palestino confronta soldado israelense após aviso para ativistas não se aproximarem de assentamento judaico
Manifestante palestino confronta soldado israelense após aviso para ativistas não se aproximarem de assentamento

“Não estamos mais trabalhando com eles”, disse o porta-voz Yigal Palmor. “Estávamos participando de reuniões, discussões, arranjando visitas a Israel. Tudo isso acabou.”

A investigação internacional, solicitada pela Autoridade Palestina, foi aprovada na quinta-feira, e o único país do conselho a votar contra foram os Estados Unidos. Líderes israelenses disseram que o conselho age de forma hipócrita e tendenciosa contra Israel.

“Eles sistemática e serialmente tomam todo tipo de decisão e condenação contra Israel sem nem simbolicamente considerarem as nossas posições”, queixou-se Palmor.

Segundo ele, Israel vai continuar cooperando com outros órgãos da ONU.

‘ORGANISMO HIPÓCRITA’

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, criticou imediatamente “a hipocrisia” do Conselho de Direitos Humanos e o Ministério das Relações Exteriores chamou a decisão de “surrealista”.

O chefe da diplomacia, Avigdor Lieberman, já havia dado a entender que Israel deixaria de cooperar com esta instância das Nações Unidas.

“Este organismo hipócrita não tem nada a ver com os direitos humanos. A tomada de partido e falta de objetividade são evidentes, e não temos nenhuma razão para cooperar com ele”, afirmou Lieberman.

“Não seremos atores neste teatro do absurdo, já que 70% das decisões deste Conselho são hostis a Israel. Pretendemos pedir aos países livres, como Estados Unidos, que se retirem”, disse.

Israel não integra o Conselho, mas tem o direito de expressão sob algumas condições. Não pode votar nem apresentar moções. A Autoridade Palestina do presidente Mahmud Abbas recebeu como uma vitória a decisão do Conselho.

DA REUTERS E FRANCE PRESSE, EM JERUSALÉM

Sobre o editor

Willames Costa
Wíllames Costa
Editor

Instagram

Parceiros do blog