Sport quebra jejum e sobe para o quinto lugar

 

a331c54b2390cc79aba0b180ce1078e5.jpg

Maylson marca o gol que foi dado a Bruno Mineiro
Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem

Depois de cinco jogos, o Sport voltou a vencer. A vítima foi o Salgueiro, que praticamente selou sua queda para a Série C. Já os rubro-negros, que pressionaram mas pecaram na finalização – e também contaram com um erro de arbitragem – subiram para o quinto lugar, com 48 pontos.

O gramado – se é que se pode chamar assim – do Ademir Cunha deixou o Sport entre a cruz e a espada. Tentar tocar a bola ou apelar para a bola longa? O time rubro-negro escolheu o caminho mais fácil. O problema é que os lançamentos para a dupla de ataque sem porte físico para tal.

Para completar, a principal mudança tática implementada pelo técnico PC Gusmão não surtiu o efeito necessário. Wellington Saci, deslocado para o meio de campo ficou muito preso no lado esquerdo, como um lateral, sua posição de origem. Quem se mexia era Marcelinho Paraíba enquanto Rithely ensaiava algumas arrancadas como elemento surpresa, mas sem efeito.

Nesse quadro, o time do Recife só conseguiu finalizar de fora da área. E levou perigo. Aos cinco minutos, Marcelinho Paraíba mandou de longe e o goleiro deu rebote. Bruno Mineiro concluiu para as redes mas estava impedido. A segunda oportunidade de longe foi de Saci, aos 27. A bola quicou no terreno, bateu no ombro de Luciano e saiu.
Somente nos 15 minutos finais é que os rubro-negros conseguiram encaixar melhor seu jogo tocando a bola. Diogo puxou a marcação e Wellington Saci aparecia constantemente com liberdade quase como um ponta-esquerda. Aos 32 ele mandou rasteiro, Marcelinho ajeitou de calcanhar para Willians, frente a frente com Luciano, furar bisonhamente.

Do Salgueiro quase nada a se falar. Ofensivamente o time não existiu, fazendo de Magrão um espectador privilegiado do jogo. No início do jogo apelou para as faltas. Depois limitou-se e torcer para os rubro-negros não marcarem.

Veio o segundo tempo e os dois times não alteraram muita coisa, a não ser o menor apetite do Sport em chutar em gol. Mas o volume de jogo permaneceu o mesmo do primeiro tempo, bastante superior ao do Salgueiro. O jeito foi usar a bola parada. Aos quatro minutos, Marcelinho bateu falta e Maylson cabeceou forte para grande defesa de Luciano.

Numa jogada semelhante, só que do lado contrário (o direito). Bruno Mineiro cabeceou e a bola bateu no braço esquerdo de Mateus. Só que o volante do Salgueiro saltou com os braços abertos, o que configuraria pênalti. Emerson Sobral mandou o jogo seguir.

A insistência do Sport só poderia resultar num gol da maneira que saiu. Aos 25, Branquinho entrou na área pela esquerda e mandou rasteiro. A bola desviou num zagueiro e Luciano ainda conseguiu dar uma tapa. Maylson chegou dividindo com Amaral e a bola entrou aos trancos e barrancos. O lance foi tão confuso que o árbitro deu gol para Bruno Mineiro.

Depois do gol, o time rubro-negro abriu mão de atacar apesar de três atacantes em campo e dois deles descansados: Branquinho e Paulista. O Salgueiro conseguiu sair um pouco do sufoco e arriscou alguns chutes de fora da área mas sem assustar

Ficha do jogo

Salgueiro: Luciano; Renê, Juninho, Alexandre e Piauí; Pio, Amaral, Mateus (Edmar) e Clébson; Fabrício Ceará e Ricardinho (Elvis). Técnico: Neco.

Sport: Magrão; Renato, Tobi, Gabriel e Diogo; Rithely, Wellington Saci (Paulista), Robston (Maylson) e Marcelinho Paraíba; Willians (Branquinho) e Bruno Mineiro. Técnico: PC Gusmão.

Local: Estádio Ademir Cunha. Árbitro: Emerson Sobral. Assistentes: Alcides Lira e Wilton Lins. Gols: Bruno Mineiro, aos 25 do segundo tempo. Cartões amarelos: Marcelinho Paraíba, Pio, Piauí, Fabrício Ceará e Amaral.

Com Do NE10

Sobre o editor

Willames Costa
Wíllames Costa
Editor

Instagram

Parceiros do blog