Trio ofensivo da seleção não repete sucesso que faz nos clubes

O badalado trio de atacantes da seleção não consegue repetir o desempenho do Campeonato Brasileiro.

Quando vestem a camisa amarela, Neymar, Ronaldinho e Leandro Damião finalizam menos e fazem menos gols do que quando defendem seus clubes no Nacional.

A conta só leva em consideração os dois últimos jogos da seleção –contra Gana, em Londres, e diante da Argentina, em Córdoba–, quando os três atuaram juntos.

No caso do camisa 10 do Flamengo, há um “empate técnico” no número de finalizações –2,9 no clube, contra três nos jogos da seleção.

O desempenho de Neymar cai de 3,6 para 1,5, e o deDamião, de 3,8 para 3.

Mano se queixou, após o empate sem gols contra a Argentina, da falta de mobilidade de seu trio de frente.

Mas, nas duas partidas, a seleção não teve armação eficiente. Ganso machucou-se em Londres, e, anteontem, Paulinho, Renato Abreu e Ralf não fizeram o jogo fluir.

O trio ofensivo deve ser titular da seleção no outro duelo com a Argentina, dia 28.

Enrique Marcarian/Reuters
Ronaldinho disputa bola com o argentino Juan Manuel Martinez
Ronaldinho disputa bola com o argentino Juan Manuel Martinez

Com a Folha.com

Sobre o editor

Willames Costa
Wíllames Costa
Editor

Instagram

Parceiros do blog