Tufão Roke deixa quatro mortos e segue na direção de Fukushima

Um poderoso tufão que atingiu o Japão nesta quarta-feira, castigando a região de Tóquio com fortes chuvas e vrntos, deixou ao menos quatro mortos, dois desaparecidos e causou transtornos aos usuários do transporte público. O tufão desloca-se rumo à usina nuclear de Fukushima, destruída por um terremoto seguido de um tsunami em março.

Veja galeria de imagens.

Segundo a polícia e a mídia local, as pessoas morreram ao serem arrastadas pelas enchentes das águas dos rios.

Daiji Yanagida/Associated Press
Ondas atingem píer na cidade de Kiho, no centro do Japão; tufão mata 4 e segue para Fukushima
Ondas atingem píer na cidade de Kiho, no centro do Japão; tufão mata 4 e segue para Fukushima

Mais de 575 mil residências estão sem energia elétrica e as autoridades pediram que mais de 1 milhão de pessoas abandonassem a região central e leste do país. Empresas como a Toyota Motor Corp, Nissan Motor e a Mitsubishi Heavy Industries fecharam algumas usinas, segundo representantes das companhias. Mais de 200 voos domésticos foram cancelados.

Trens em Tóquio e nos arredores da cidade suspenderam seus serviços, deixando milhares de passageiros ilhados ao tentarem chegar cedo antes que a tempestade atingisse a capital.

Imagens na televisão mostravam ondas atingindo os quebra-mares na costa do Pacífico e árvores derrubadas nas ruas de Tóquio. Imagens também mostraram pedestres tentando caminhar em linha reta enquanto que os guarda-chuvas eram inúteis devido à violência da chuva e do vento.

O tufão Roke, a segunda tempestade a atingir o Japão neste mês, está gerando ventos de até 220 quilômetros por hora e provocou mais de 40 centímetros de chuvas em partes do leste e oeste do Japão nas últimas 24 horas, disse a Agência Meteorológica do Japão.

“Precisamos exercer o máximo de cautela contra as fortes chuvas e ventos e as altas ondas em amplas áreas no leste e norte do Japão”, disse o secretário-chefe do gabinete japonês, Osamu Fujimura, em coletiva de imprensa.

O “Roke” atingiu o continente próximo de Hamamatsu, 200 quilômetros a oeste de Tóquio, aproximadamente às 14h de terça-feira, horário local (1h de quarta-feira, no horário de Brasília), a atravessou o oeste do Japão antes de se deslocar para o norte da capital ao anoitecer.

A Tokyo Electric, operadora da usina nuclear de Fukushima Daiichi, localizada a 240 quilômetros nordeste de Tóquio e que foi destruída por um terremoto e tsunami massivos em março, disse que o tufão não havia causado danos à usina por enquanto.

“O maior motivo de preocupação é o aumento no nível de água (radioativa) nos prédios das turbinas”, disse Junichi Matsumoto, representante da Tokyo Electric, em coletiva de imprensa.

O local ainda tem quantidades enormes de água que foram usadas para resfriar os reatores, onde o derretimento de combustível ocorreu depois que os sistemas de resfriamento foram desativados pelo desastre de março, gerando preocupações de que fortes chuvas poderiam fazer transbordar a água para o mar e águas subterrâneas.

O porta-voz da Tokyo Electric Power Co. –operadora de Fukushima–, Takeo Iwamoto, afirmou que o sistema de resfriamento, que é crucial para manter o controle da usina nuclear, não está em perigo por causa do tufão.

Iwamoto disse que algumas construções na usina foram paradas e esforços maiores estão sendo feitos para prevenir o vazamento de água radioativa e outros materiais com a passagem do tufão.

“Roke” é o segundo tufão que afeta o Japão em poucas semanas, depois que no início deste mês “Talas” deixou mais de 100 vítimas, entre mortos e desaparecidos, e danos no valor de 53,4 bilhões de ienes (511 milhões de euros).

DAS AGÊNCIAS DE NOTÍCIAS

Sobre o editor

Willames Costa
Wíllames Costa
Editor

Instagram

Parceiros do blog