Willames Costa

Compromisso com a informação

Carnaval Olinda Pernambuco

Aulas de frevo gratuitas em Olinda

Wilson Aguiar dá aulas de frevo de graça para quem quiser aprender os passos do ritmo pernambucano Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Wilson Aguiar dá aulas de frevo de graça para quem quiser aprender os passos do ritmo pernambucano
Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem

Contagiar os foliões e transmitir toda a alegria característica do frevo. “Quero encher as ruas de espontaneidade. Aquele frevo que a pessoa sente e segue o ritmo das orquestras. É isso que quero ensinar.” O convite é do designer industrial Wilson Aguiar, 50 anos, que aos sábados dá aula de frevo para os turistas e foliões que queiram ser verdadeiros passistas. “Quem quiser aprender os passos, é só calçar o tênis e vir.” É em Olinda e é de graça.

As aulas já contam com mais de 20 alunos, entre crianças, jovens e idosos. “Frevo é uma necessidade da alma. Eu sentia essa necessidade quando eu era jovem e, hoje, sinto que tenho passar a verdadeira essência desse ritmo para os que querem aprender”, contou. “Muitas pessoas só pensam em ir para as academias e acumular passos, aquela coisa mecanizada. Alguns passistas só se apresentam em palcos. Mas não é para ser assim. Tem que ter a brincadeira, o improviso, a felicidade de sentir o frevo e dançá-lo.”

E foi assim que há cinco anos Wilson decidiu começar a dar aulas na cidade de Olinda. Com a ajuda da esposa e de amigos, criaram o coletivo Brincantes das Ladeiras, encenaram uma peça nos Quatro Cantos para difundir a ocupação urbana através das artes e divulgar a iniciativa. “Depois, começamos com o trabalho. Nós estimulamos para que a pessoa se descubra folião, nada coreografado. Está dançando, aí tem um buraco inesperado. Muda o passo! Apareceu uma pedra de repente, faz outro passo. Claro, isso é aplicado dentro do limite de cada um”, contou Wilson.

As aulas acontecem todos os sábados, às 16h, na Praça Laura Nigro, próximo ao Mercado da Ribeira. “E ainda damos água de graça no fim da aula. Porém, o melhor, é que vamos atrás das orquestras que por essa época já estão animando Olinda. Vamos aplicamos o que aprendemos.”

Fonte: Do JC Online

LEAVE A RESPONSE

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *