Willames Costa

Compromisso com a informação

Destaque

Bezerra deve ter encontro com Dilma e pode ir ao Congresso

Ministro da Integração iniciará semana dando explicações sobre denúncias.
Ele nega ter favorecido o estado natal (Pernambuco), o filho e o irmão.

 

O ministro Fernando Bezerra Coelhodeverá se dedicar no início da próxima semana a dar explicações sobre as denúncias de privilegiar seu estado natal,Pernambuco, na distribuição de verbas das chuvas; de favorecer o filho, o deputado federal Fernando Bezerra Coelho Filho (PSB-PE), com liberação de emendas parlamentares da pasta; e de agir para manter o irmão, Clementino Coelho, na presidência da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e Parnaíba (Codevasf).

Na segunda-feira (9), Bezerra deverá se reunir com a presidente Dilma Rousseff. “Muito trabalho pela frente. Presidenta Dilma me telefonou e na segunda-feira teremos reunião para tocar os projetos do Ministério”, escreveu o ministro na noite desta sexta (6) no microblog Twitter.

Na terça (10), há possibilidade de o ministro comparecer ao Congresso. O PPS pediu ao presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), a convocação da Comissão Representativa do Congresso Nacional para discutir as denúncias relacionadas ao Ministério da Integração Nacional. A comissão é composta por oito senadores e 17 deputados e pode ser convocada durante os períodos de recesso parlamentar.

Bezerra se colocou à disposição para comparecer ao Congresso e dar explicações. “Eu estarei à disposição para visitar a comissão no Congresso na terça-feira, às 10h, para poder responder às dúvidas ou indagações do requerimento e outras tantas dúvidas que, porventura, os parlamentares possam ter em relação à política de aplicação de recursos do Ministério da Integração no que toca à defesa civil”, afirmou o ministro nesta sexta.

Bezerra nega ter privilegiado Pernambuco, seu estado natal, na distribuição das verbas para prevenção a desastres naturais. Em nota, o ministério contestou reportagem publicada na quinta pelo jornal “O Globo”, que informa que, no Orçamento de 2012, Pernambuco foi o estado com a maior previsão de verbas da Integração no Programa de Gestão de Riscos e Resposta a Desastres.

Segundo a publicação, o estado receberia R$ 81,4 milhões, cerca de 11,6% do total do programa sob gestão da pasta. A Integração afirmou que a maior parte dos recursos foi incluída por parlamentares através de emendas durante a tramitação da lei orçamentária. Inicialmente, informa, a previsão enviada pelo Executivo era de R$ 67,6 milhões, complementados com R$ 634 milhões de emendas parlamentares.

Em entrevista nesta sexta à Agência Brasil, a ministra do Planejamento, Miriam Belchior, defendeu o ministro da Integração. Ela disse que não houve irregularidades na utilização de créditos extraordinários para investimentos na construção de barragens em Pernambuco. Segundo a ministra, em 2010, o governo pediu um estudo sobre obras para se evitar a repetição das tragédias das chuvs que, naquele ano, atingiram Pernambuco e Alagoas.

O ministro Fernando Bezerra durante entrevista em Belo Horizonte (Foto: Charles Silva / O Tempo / Agência Estado)
O ministro Fernando Bezerra durante
entrevista nesta sexta (6) em Belo
Horizonte (Foto: Charles Silva /
O Tempo / Agência Estado)

“Quando a solução foi identificada, não tínhamos dotação específica para 2011. Por isso, o ministro da Integração usou a dotação de crédito extraordinário. Não há nenhuma irregularidade nisso. É dinheiro de defesa civil utilizado em uma obra de defesa civil”, afirmou a ministra à agência.

Filho
O jornal “Folha de S.Paulo” afirmou na edição deste sábado (7) que o filho do ministro, deputado Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE), foi o único parlamentar que conseguiu obter o empenho (compromisso de pagamento) de todas as emendas que apresentou para obras do ministério.

De acordo com o jornal, o ministério respondeu em nota que o ministro não beneficiou o filho. Segundo a nota, o deputado conseguiu a liberação de cerca de 80% dos pedidos em anos anteriores, quando o pai não era ministro.

Irmão
Segundo “O Estado de S. Paulo”, o ministro agiu para manter durante um ano o irmão, Clementino Coelho, na presidência da Codevasf. Coelho assumiu após a exoneração do antecessor, Orlando Cézar da Costa Castro. Pelo estatuto da Codevasf e por orientação da Controladoria-Geral da União (CGU), na ausência do presidente, o diretor mais antigo – no caso, Coelho – assume a presidência até a nomeação do novo titular do cargo.

Nesta sexta, a Casa Civil da Presidência da República divulgou nota informando que, “há cerca de 50 dias”, Fernando Bezerra fez o pedido para que Guilherme Almeida, que também é diretor da empresa, seja nomeado novo presidente da Codevasf.

“Em que pese Almeida já ocupar o cargo de diretor da estatal, a assunção à presidência do órgão exige novas consultas, conforme determina a legislação. Cabe, porém, destacar que, tendo sido concluídas as consultas, Guilherme Almeida será nomeado nos próximos dias”, informou a nota da Casa Civil.

Com Do G1, em Brasília

1 COMMENTS

  1. Os políticos tudo farinha do mesmo saco!  
    A arapuca está armada e não adianta de fora protestar quando se quer entrar num buraco de rato de rato você tem que transar!  A corrupção na administração pública é organizada, e partidarizada, os políticos usam a tal, CPI, para fins pessoais ou de pessoas amigas ou parentes denunciados por corrupção. Assim visa proteger os políticos corruptos, tudo acaba na impunidade ninguém é preso e condenado. A herança de Portugal, continua no Brasil, a (teoria dos três poderes), em tais ocasiões é chamada (teoria três em um). Um legislativo corrupto produz leis corruptas. Um judiciário corrupto legitima e aplica as leis corruptas. Um executivo corrupto governa corruptamente, além de uma mídia corrupta dá ares de normalidade a tudo. O homem político vale menos do que uma bactéria!

LEAVE A RESPONSE

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *