Willames Costa

Compromisso com a informação

Mundo

Cameron admite ter recebidos doadores do partido em residência oficial

O primeiro-ministro britânico David Cameron, no centro de um suposto escândalo de financiamento ilícito de seu partido, reconheceu nesta segunda-feira ter jantado, em quatro ocasiões, com doadores “importantes” do Partido Conservador, que publicou os nomes.

“Nestes dois anos em que sou primeiro-ministro, em três ocasiões, doadores importantes jantaram em meu apartamento. Além disso, um jantar onde participaram doadores foi organizado imediatamente depois das eleições gerais (maio 2010) em Downing Street”, declarou Cameron, pouco tempo antes de seu partido publicar o nome de quase 30 doadores recebidos entre julho de 2010 e fevereiro de 2012.

“Nenhum destes jantares esteve destinado a levantar fundos e nenhum destes jantares foram pagos pelos contribuintes”, afirmou.

Mark Richards/France Presse
David Cameron durante discurso na Alzheimer's Society nesta segunda-feira
David Cameron durante discurso na Alzheimer’s Society nesta segunda-feira

O primeiro-ministro tentou acalmar a situação após a demissão no domingo do tesoureiro do Partido Conservador, Peter Cruddas, suspeito de ter vendido acessos privilegiados ao chefe de Governo.

No domingo ele renunciou ao cargo, após a divulgação de um um vídeo, filmado com uma câmera escondida por jornalistas do Sunday Times, no qual ele aparecia negociando, em troca de doações, encontros com Cameron durante jantares privados, com o objetivo de influenciar a sua política.

Cameron julgou as observações de Cruddas “totalmente inaceitáveis e falsas”, prometendo uma investigação interna do partido.

Crudas “nunca apresentou um nome para um jantar em meu apartamento”, afirmou o primeiro-ministro, que prometeu que o Partido Conservador publicará trimestralmente a lista de doadores que participam de refeições em uma de suas residências oficiais.

O chefe de Governo estimou que existe “a necessidade urgente de reformar o sistema de financiamento de partidos” no Reino Unido, um problema que “nenhuma partido está isento”.

Ele propôs que as doações individuais e as dos sindicatos, que contribuem em grande parte com o financiamento do Partido Trabalhista, sejam limitadas a 50 mil libras (US$ 79,3 mil ou € 60 mil). A legislação britânica atual sobre o financiamento dos partidos políticos não limita o montante de doações particulares, mas exige que sejam divulgadas, quando ultrapassam 7,5 mil libras.

DA FRANCE PRESSE, EM LONDRES

LEAVE A RESPONSE

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *